Mesmo representando a maioria da população brasileira (51,5%), as mulheres ocupavam menos de 40% dos cargos executivos no mercado de trabalho brasileiro, segundo Censo 2022. O levantamento aponta, ainda, que o rendimento delas foi, em média, equivalente a 78,9% do recebido por homens. Além disso, um dado de 2021 do Fórum Mundial Econômico aponta que o Brasil ocupa o 93º lugar em desigualdade de gênero entre 156 nações.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Para mudar este cenário, o Movimento Elas Lideram, uma iniciativa do Pacto Global da ONU, que visa alcançar a equidade de gênero, pretende mobilizar 1.500 empresas do país para levar mais de 11 mil mulheres para cargos de alta liderança até 2030.

Rachel Maia, presidente do Conselho do Pacto Global da ONU no Brasil e primeira negra a ser CEO de uma empresa no país, reforça que apenas 14% do público feminino ocupa cargos de diretoras executivas em empresas.

— Se tirarmos as herdeiras, vai para um dígito. Eu não posso ser considerada como uma pessoa de sorte. Passei pela arrebentação e passei pelo crivo dessa sociedade, mas não pode ser apenas eu. Por isso que estou aqui dizendo que não podemos ter apenas uma Rachel para a história de referência de mulheres pretas sentadas na cadeira de presidente de empresas globais — diz.

Continua depois da publicidade

Empresa de SC no Pacto Global

A Rede Cooper, cooperativa de varejo alimentar de Blumenau, é a única empresa catarinense que se alinha com o Pacto Global. De acordo com Fabiana Medeiros, diretora de Gente e Cultura, dos mais de 200 cargos de liderança da instituição, cerca de 30% das cadeiras são ocupadas por mulheres.

A empresa também faz parte do Todas Group, um programa que oferece cursos, mentorias e eventos a fim de acelerar as carreiras femininas no Brasil. Mesmo já estando perto do patamar estimado pelo Elas Lideram da ONU, a Cooper pretende aumentar este número nos próximos anos.

— Hoje, nós estamos com 189 mulheres engajadas no Todas. Temos um engajamento de 89%. Elas estão embarcadas, literalmente, na plataforma, estudando, ampliando o seu conhecimento e habilidades. A gente já devorou mais de 3.400 conteúdos juntas, já temos mais de 200 certificados emitidos para as nossas mulheres aqui — enfatiza.

Fabiana salienta que o objetivo dos projetos não é o de competir com os homens ou tirá-los de cargos de liderança, mas de construir um mundo em que as mulheres também sejam reconhecidas e tenham as mesmas chances.

Continua depois da publicidade

A discussão, para ela, não é sobre quem é melhor, mas como o trabalho feito de forma conjunta pode se complementar.

— Quando tanto o homem quanto a mulher entendem esse complemento, as coisas começam a fluir e essa liderança vai muito além, porque existe o apoio, a compreensão e, sobretudo, o respeito. Porque é isso que a gente está pedindo para o mundo. Nos respeitem, nós somos seres humanos, independente de gênero — finaliza.

Realidade das mulheres negras é ainda pior

Se a desigualdade entre gêneros já é escancarada no país, quando se faz um recorte por raça a situação é ainda mais alarmante. No Brasil, os números mostram que as mulheres pretas ou pardas são mais afetadas pelas desigualdades na educação, mercado de trabalho e sofrem mais violência em comparação com as brancas.

Continua depois da publicidade

Conforme o estudo de estatísticas de gênero do IBGE de 2022, as mulheres brancas que tinham completado o nível superior (29,0%) era o dobro do observado para as pretas ou pardas (14,7%). O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estados Socioeconômicos (Deese) de 2021 ainda mostra que a taxa de desocupação das mulheres negras em idade de trabalhar era de 11,7%.

Com relação à violência, enquanto 5,7% das mulheres brancas relataram na pesquisa do IBGE terem sido violentadas, essa proporção era de 6,3% para as pretas e pardas. Os dados também mostram que foram registrados 681 homicídios dolosos de mulheres brancas e 1.835 de pretas ou pardas.

Os dados ainda evidenciam que as mulheres negras dedicam mais tempo aos afazeres domésticos e cuidados de pessoas. Enquanto as mulheres pretas ou pardas destinavam 22 horas semanais, as brancas dedicavam 20,4. Outro recorte que chama a atenção é de mulheres em situação de pobreza ou extrema pobreza. As negras e pardas (41,3%) que estavam abaixo dessas linhas é quase o dobro que as brancas (21,3%).

Rachel Maia é a primeira negra a chegar ao cargo de CEO no Brasil (Foto: Divulgação)

Rachel Maia, primeira negra a ser CEO de uma empresa no país, diz que a sociedade é naturalmente excludente para a mulher preta, principalmente as de pele mais retinta. Ela contextualiza que isso acontece porque, por muitos anos, a mulher negra foi tratada apenas como empregada, reprodutora ou mãe solo, além de ser inviabilizada pela sociedade, às vezes de forma proposital, a calar-se diante da situação a qual foi imposta.

Continua depois da publicidade

— Essa é a nossa cultura, é a realidade imposta à mulher negra. Não é mimimi, são dados estatísticos. Temos países vizinhos que fizeram o processo de embranquecimento e de forma bem sucedida. Tivemos guerras em que mulheres negras foram colocadas no front, não apenas homens negros. Então existiu um massacre quase que propositivo. A mulher negra está na última pirâmide e, quanto mais retinta, mais abaixo ela vai — ressalta.

Rosane Silva, secretária Nacional de Autonomia Econômica e Política de Cuidados (Foto: Ministério das Mulheres, Divulgação)

Rosane Silva, secretária Nacional de Autonomia Econômica e Política de Cuidados do Ministério das Mulheres, cita, ainda, que 30% das famílias brasileiras são chefiadas por mulheres, sendo que maioria delas é negra. Mesmo assim, destaca que há poucas políticas públicas voltadas para elas.

— Por isso, tem que ter uma política de Estado séria, que mude a realidade das mulheres negras no nosso país. Não queremos continuar reproduzindo mulheres negras pobres periféricas — finaliza.

Leia também

Mulheres têm salários 19% menores do que homens no Brasil, aponta relatório

SC está entre os 10 estados com menor proporção de mulheres na população; veja números

Destaques do NSC Total