nsc
    dc

    Entrevista

    Coronavírus: "A pandemia vai deixar um recado de valores, de solidariedade, de ajuda mútua, de cooperação", diz prefeito de Chapecó

    Comandante do Executivo fala sobre as ações e lições do enfrentamento ao novo coronavírus 

    16/05/2020 - 06h45 - Atualizada em: 16/05/2020 - 09h15

    Compartilhe

    Everton
    Por Everton Siemann
    Luciano Buligon
    Luciano Buligon
    (Foto: )

    Procurado pela reportagem, o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSL), fala sobre os trabalhos, o papel da população, os desafios, os ensinamentos e como ele acredita que a sociedade passará por essa pandemia.

    Confira na entrevista a seguir:

    Como está o combate à doença hoje?

    Desde o dia 4 de março nós trabalhamos com um plano estratégico, que denominamos Plano de Respostas e Enfrentamento à Covid, executando todas as medidas nele propostas. A todo o momento, o cenário da contaminação é avaliado por um comitê técnico, e se necessário, novas ações são implementadas e mais investimento é realizado.

    A população de sua cidade está tendo bom comportamento?

    Quando decretadas as primeiras restrições de convívio social, em meados de março, nós enfrentamos resistência. De lá pra cá, a população tem entendido e a grande maioria contribuído, e muito, respeitando as recomendações das autoridades sanitárias para se proteger e proteger o outro. As pessoas têm compreendido o papel de cada um na sensibilização coletiva e a importância das atitudes individuais para frear a contaminação.

    Qual é o principal desafio neste momento?

    Nossos números em Chapecó estão atingindo o pico agora em maio. Estamos entendendo como a doença se apresentou aqui e enfrentando, seguindo os princípios técnicos e o planejamento que concluímos ainda no início de março. A principal faixa etária contaminada é de 20 a 49 anos, pessoas em idade produtiva. Mas, percebemos que o nosso grande desafio também está na sensibilização das pessoas nos momentos de lazer, pós-horário de trabalho. Por isso, apertamos a fiscalização e fechamos locais públicos com registro de reincidência em aglomerações.

    Qual é o maior ensinamento que a pandemia lhe deu?

    Cada minuto da nossa vida vale muito e a pandemia deixou isso muito mais presente para todos nós. Estamos mais introspectivos. O vírus nos deixa um recado de saúde, mas também humano, de valores. As pessoas têm convivido mais com as famílias, e passamos a exercitar a gestão das nossas emoções. Nós estamos muito a frente no que se refere à tecnologia, ciência e inovação, mas temos muito a avançar para bem gerir as nossas emoções.

    O senhor acha que a nossa sociedade será melhor depois da pandemia?

    Entendo que sim, porque acredito muito no ser humano, na solidariedade, em entender que a minha atitude pode mudar e melhorar a vida do outro, que a nossa conscientização vai contribuir para que retomemos a normalidade da nossa rotina o mais breve possível. Enfim, a pandemia vai deixar um recado de valores, de solidariedade, de ajuda mútua, de cooperação, de entender que um ser humano necessita do outro. Não tenho nenhuma dúvida que a hora que isso tudo acabar nós teremos uma sociedade, uma comunidade, e acima de tudo, pessoas melhores.

    Leia mais:

    A pandemia da Covid-19 sob a ótica dos prefeitos em SC

    Secretaria de Educação de SC trabalha avalia volta das aulas no segundo semestre

    Proposta para reabrir transporte coletivo incluiu até passagem a R$ 10

    Nelson Teich pede exoneração e deixa o Ministério da Saúde

    Saiba tudo sobre a pandemia do coronavírus

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas