nsc
dc

Entrevista

Coronavírus: "O nosso principal desafio é entender o avanço da doença no início do inverno brasileiro", diz prefeito de Florianópolis

Comandante do Executivo fala sobre as ações e lições do enfrentamento ao novo coronavírus 

16/05/2020 - 06h55 - Atualizada em: 16/05/2020 - 09h16

Compartilhe

Everton
Por Everton Siemann
Gean Loureiro
Gean Loureiro
(Foto: )

Procurado pela reportagem, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), fala sobre os trabalhos, o papel da população, os desafios, os ensinamentos e como ele acredita que a sociedade passará por essa pandemia.

Confira na entrevista a seguir:

Como está o combate à doença hoje?

Eu diria que estamos mais preparados que no início. O fundamental foi nosso isolamento precoce, se compararmos com as demais capitais. Ganhamos tempo para treinar nossas equipes, colocar o “Alô, Saúde” (que já estava previsto antes da epidemia) para funcionar, comprar equipamentos de proteção individual e milhares de testes. Com isso, atualmente somos a capital com menor letalidade pela doença e, por enquanto, estamos com números estáveis. É claro que precisamos vencer um dia de cada vez e nossas ações serão proporcional ao comportamento do avanço do contágio.

A população de sua cidade está tendo bom comportamento?

Eu diria que sim. A grande maioria tem cumprido as regras. Sejam os cidadãos com o uso da máscara, evitando aglomerações, sejam os estabelecimentos cumprindo as determinações. É claro que sempre haverá as exceções, que precisamos chamar a atenção e até mesmo punir por descumprirem regras. Geralmente essa minoria acaba chamando a atenção pelo descumprimento, mas não é a maioria.

Qual é o principal desafio neste momento?

O nosso principal desafio é entender o avanço da doença no início do inverno brasileiro. Não tivemos países, ainda, que iniciaram o inverno com a pandemia e daí a dificuldade em entender o comportamento dela nesse período de doenças respiratórias.

Qual é o maior ensinamento que a pandemia lhe deu?

Compreender a gravidade da doença e ouvir minha equipe técnica. Graças a isso estamos com um bom desempenho. Confiei na minha equipe e eles confiaram em mim. Geralmente temos dificuldade em acreditar em desastres quando eles estão longe de nós. Muitas cidades acreditavam ser uma doença exclusiva da Ásia e não se prepararam.

O senhor acha que a nossa sociedade será melhor depois da pandemia?

Eu tenho fé.

Leia mais:

A pandemia da Covid-19 sob a ótica dos prefeitos em SC

Secretaria de Educação de SC trabalha avalia volta das aulas no segundo semestre

Proposta para reabrir transporte coletivo incluiu até passagem a R$ 10

Nelson Teich pede exoneração e deixa o Ministério da Saúde

Saiba tudo sobre a pandemia do coronavírus

Colunistas