nsc

Estelionato

Crimes de estelionato crescem mais de 150% em Joinville

Para ajudar população a se prevenir, Polícia Civil de Santa Catarina produziu a cartilha “Proteja-se de Golpes”

08/12/2021 - 16h21

Compartilhe

Jean
Por Jean Patrick
Celular em mãos
Clonagem do celular, onde o golpista finge ser o dono do celular é um dos crimes mais comuns
(Foto: )

Os crimes de estelionato cresceram mais de 150% em Joinville, conforme dados de uma pesquisa realizada pela Diretoria de Inteligência e Estatística (DINI) da Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Segundo a delegada regional da Polícia Civil em Joinville, Tânia Harada, um dos mais comuns é a clonagem do celular, onde o golpista finge ser o dono do celular e passa a pedir dinheiro para a lista de contatos da vítima.

- Apesar de quase todo mundo conhecer alguém que já teve o celular clonado, ainda tem muita gente inocente caindo neste golpe – disse em entrevista à CBN Joinville nesta quarta-feira (8).

A delegada também destaca que 97% destes crimes não teriam ocorrido se a vítima tivesse algum conhecimento sobre os golpes.

- Apenas 3% das pessoas que caíram em golpes e foram prejudicadas teriam caído mesmo com acesso à informação – disse.

Outro golpe que tem crescido é o de extorsão sexual, popularmente conhecido como “sextorsão”. Uma mulher envia mensagem amorosa para o Whatsapp de um homem, com quem passa a trocar imagens íntimas para depois chantageá-lo.

Mas estes não são os únicos golpes. Tem o do falso empréstimo, tem o da clonagem de cartão, tem o do parente com carro estragado, tem o do falso sequestro, tem o de compra e venda de veículos, tem o do anúncio de imóveis, tem o de compras pela internet e muitos outros.

Para ajudar a população a se prevenir contra estes crimes de estelionato, a Polícia Civil de Santa Catarina produziu a cartilha “Proteja-se de Golpes”, com informações sobre os 17 tipos de golpes mais frequentes.

- Atentos a esse problema, desenvolvemos a cartilha e lendo ela a chance de as pessoas caírem em golpes reduz de 100% para 3% - destacou Harada.

*Com informações da Assessoria de Imprensa

Ouça a entrevista completa:

Colunistas