nsc
hora_de_sc

MARICULTURA

Cultivo de moluscos é proibido em Governador Celso Ramos por presença de toxina

Interdição foi feita na localidade de Fazenda da Armação, informou neste sábado (3) a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural

03/10/2020 - 13h32

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
Ostras e mexilhões
Com a interdição, fica proibido retirar e comercializar ostras, mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia da área
(Foto: )

Está proibido o cultivo de ostras e mexilhões da localidade de Fazenda da Armação, em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, informou neste sábado (3) a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural.

> Balsa danificada no ciclone de junho chama atenção na praia de Santo Antônio

Com a interdição, fica proibido retirar e comercializar ostras, mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia da área.

Conforme a secretaria, a medida foi necessária após exames laboratoriais detectarem a concentração de ficotoxina Ácido Okadaico acima dos limites permitidos nos cultivos de moluscos bivalves nessa localidade.

Quando consumida por seres humanos, essa substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia. Além da localidade de Fazenda da Armação, em Governador Celso Ramos, o cultivo de ostras e mexilhões segue interditado nas localidades de Laranjeiras, em Balneário Camboriú; Sambaqui, Santo Antônio de Lisboa e Cacupé, em Florianópolis; Barra do Aririú, em Palhoça; Ponta de Baixo, em São José; e Armação do Itapocorói e Praia Alegre, no município de Penha.

> Homem xinga guardas e acaba preso após ser abordado sem máscara em Florianópolis

A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural também informou que a Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) intensificou as coletas para monitoramento das áreas de produção de moluscos interditadas e arredores. Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição. Os locais de produção interditados serão liberados após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.

Colunistas