É mais do mesmo… Mas continua funcionando muito bem. É difícil achar uma definição melhor para o Call of Duty atual que não seja: “é melhor do que os últimos, mas não é suficiente”. Não há nada ruim de verdade nele (exceto pelo sistema terrível de perks), contudo Modern Warfare 2 é mais um que não consegue trazer aquela empolgação que sentíamos na época do PS3.

Continua depois da publicidade

> Clique aqui e receba notícias no WhatsApp

Será que é culpa do jogo ou nossa? Um pouco de cada, com certeza. Chega um momento em que a queda de interesse afeta todo mundo. Os jogadores já sabem como tudo funciona, e os desenvolvedores não podem mudar a fórmula além de um certo ponto.  

Jogo já se tornou um clássico

Ainda assim, continuamos jogando ano após ano, e não deixa de ser divertido. Só se tornou um tipo de obrigação anual do que algo que consuma todo seu tempo livre naturalmente. Porém, MW2 até que tem se esforçado. Após um começo esquisito, ele recebeu poucas atualizações, enquanto a Activision se preocupava mais com Warzone 2.0. O jogo tem ganhado mais atenção na parte 6v6, que é o que interessa para a maioria dos fãs.  

Novos recursos

Três novos mapas na segunda temporada deram um destaque a algo que estava comprometendo o jogo. Algo inesperado foi ver bem mais atenção dada ao modo ranked, com várias mudanças em relação a anos anteriores para que mais jogadores se interessem em jogar essas partidas mais controladas (4v4 com as regras da COD League).  

Continua depois da publicidade

Em contrapartida, acrescentaram modos mais descompromissados e o modo gunfight, aquele 2v2 com pouco limite de tempo que estreou no MW de 2019 e que deve retornar na terceira temporada. Já outras partes do pacote de Modern Warfare II estão um pouco mais para trás – algumas por falta de comunicação, outras por falta de entusiasmo do público.

> 7 jogos de God of War para jogar no PlayStation

O personagem "Ghost" com arma em cena de jogo novo Call of Duty: MW II
Call of Duty é sempre divertido (Imagem: Reprodução Digital | Activision)

Raid incentiva o jogo coletivo

As raids fazem parte dessa segunda categoria. Quem joga a raid (cuja segunda parte foi lançada recentemente) geralmente gosta bastante de ver tipos de desafio que jamais apareceram em campanha ou em qualquer modo Spec Ops de COD, porém apenas o tipo de jogador mais hardcore possível parece disposto a tentar.  

É compreensível, já que as raids seguem um estilo meio Destiny e obrigam um grupo de três amigos a se organizar – não dá para entrar na raid sozinho ou se juntar a desconhecidos, então devia existir incentivos para mais jogadores tentarem. O curioso é que COD é sempre divertido e, se você gosta, não tem motivo para parar de gostar.  

Falta investir nos detalhes

O feeling mais pesado das armas nesses novos Modern Warfare dá uma relevância maior a cada disparo, a falta de quantidade de mapas é compensada pela qualidade elevada deles, e a produção como um todo ainda é de alto valor – o jogo sai todo ano, mas não dá para dizer que a Activision está economizando dinheiro. Só falta investir mais nos detalhes que os jogadores realmente gostariam de ver funcionando. 

Continua depois da publicidade

Por Douglas Martinez – Editora Europa

Leia também

Um guia “The Last of Us” para quem não é gamer

5 melhores jogos de corrida para acelerar no PS5

Evolução das personagens femininas nos videogames

Destaques do NSC Total