nsc

publicidade

ENSINO SUPERIOR 

Em carta, conselheiros da UFFS pedem renúncia do novo reitor

Nota teve assinatura de 28 dos 54 membros titulares. Na sexta-feira, Conselho Universitário repudiou nomeação e criou comissão para negociar conciliação com estudantes

15/09/2019 - 19h39 - Atualizada em: 16/09/2019 - 19h17

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Recktenvald foi empossado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, em Brasília
(Foto: )

Um grupo de integrantes do Conselho Universitário da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) apresentou na tarde deste domingo uma carta que pede a renúncia do novo reitor da instituição, Marcelo Recktenvald. Ele foi nomeado para o cargo no dia 29 de agosto pelo presidente Jair Bolsonaro, mesmo tendo sido apenas o terceiro colocado na consulta feita à comunidade acadêmica da UFFS.

O documento foi divulgado no dia em que a instituição completa 10 anos. Na nota dos conselheiros da UFFS, o grupo considera a nomeação de Recktenvald “clara violação à autonomia da UFFS e desrespeito para com a comunidade universitária”. A manifestação é assinada por 28 dos 54 membros titulares do conselho, além de outros 19 membros suplentes.

“Considerando que somos conselheiros do Consuni democrática e legitimamente eleitos, exigimos o restabelecimento da democracia institucional e o respeito à autonomia da UFFS, o que só pode ser conseguido quando o senhor Marcelo Recktenvald deixar o cargo de reitor, que hoje ocupa de maneira indevida”, diz um trecho da nota.

A carta é considerada uma manifestação dos conselheiros – não será pauta de novas reuniões do conselho.

O novo reitor afirmou que as pessoas têm direito de terem manifestações diferentes, mas apontou que nesse caso o movimentofoi basicamente político, definido em uma reunião sem a presença dos conselheiros de sua base de apoio. Disse ainda que a manifestação "não o preocupa".

Comissão vai negociar conciliação entre estudantes e nova reitoria

Na sexta-feira, o Conselho Universitário fez uma reunião extraordinária convocada pelos próprios integrantes. Na ocasião, o órgão criou uma comissão que vai negociar com os estudantes condições para encerrar a ocupação da reitoria. Universitários ocupam o espaço desde a nomeação do novo reitor e impedem que Recktenvald e o vice-reitor Gismael Perin entrem no prédio. A primeira reunião desta comissão com os estudantes ocorre às 14h desta segunda-feira.

Além da definição da comissão de negociação, o Conselho também aprovou uma nota de repúdio à nomeação de Recktenvald e duas moções – uma de solidariedade à comunidade universitária que se manifesta contra a nomeação do novo reitor e uma de agradecimento à Assembleia Legislativa (Alesc) e à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), “em razão da contrariedade expressada à nomeação de Marcelo Recktenvald para o cargo de reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul”, segundo texto assinado pelo conselho.

Na quarta, o Conselho Universitário tem uma nova reunião ordinária, com pauta sobre os assuntos comuns da universidade. No entanto, é possível que neste encontro já seja apresentada uma proposta dos estudantes para uma conciliação que permita a saída dos estudantes da reitoria. Na semana passada, uma tentativa de conciliação feita pela Justiça Federal terminou sem acordo.

Um dos pedidos que deve ser feito pelos estudantes para deixarem a ocupação da reitoria é que o conselho aprove e envie um pedido ao presidente Jair Bolsonaro para destituir o novo reitor, nomeado no final de agosto. A recomendação pela destituição foi aprovada também por professores em assembleia na última semana.

Acesse as últimas notícias do NSC Total

Deixe seu comentário:

publicidade