nsc
    dc

    Meio ambiente

    Em meio à crise ambiental, Ministério cria oficialmente Secretaria para a Amazônia

    A criação da pasta faz parte de uma alteração na estrutura do MMA e substitui a extinta Secretaria de Florestas e Desenvolvimento Sustentável

    21/09/2020 - 17h36 - Atualizada em: 21/09/2020 - 17h38

    Compartilhe

    Por Folhapress
    A região é alvo de desmatamento e queimadas
    A região é alvo de desmatamento e queimadas
    (Foto: )

    O Ministério do Meio Ambiente (MMA) criou oficialmente nesta segunda-feira (21) uma secretaria específica para os temas da Amazônia, em meio às críticas internacionais devido à alta dos desmatamento e queimadas na região.

    A criação da pasta faz parte de uma alteração na estrutura do ministério, divulgada em 11 de agosto e publicada como decreto no dia seguinte. A pasta ressaltou na ocasião que haveria um período de transição; no entanto a nova estrutura entra em prática apenas nesta segunda. Publicação no Diário Oficial da União apresenta a nomeação dos titulares para os cargos.

    > Saiba como o desmatamento na Amazônia afeta Santa Catarina

    A Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais substitui a extinta Secretaria de Florestas e Desenvolvimento Sustentável. O titular da secretaria continua o mesmo, Joaquim Alvaro Pereira Leite.

    Quando anunciou a mudança na estrutura, em agosto, o Ministério do Meio Ambiente, comandado por Ricardo Salles, informou em nota que as mudanças seriam para ampliar a eficiência da pasta e dar maior relevância à Amazônia, ao clima e à áreas protegidas. O número de secretarias do MMA permanece o mesmo, mas houve mudanças de competências entre elas.

    > SC tem 2,6 mil óbitos por coronavírus e 7,1 mil pessoas em tratamento; há 336 pacientes hospitalizados

    A pasta afirma que a Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais terá a competência de coordenar as políticas de prevenção e controle do desmatamento ilegal, dos incêndios florestais, das queimadas, de recuperação, de uso sustentável e de redução da degradação da vegetação nativa em todos os biomas do país.

    Em relação às outras mudanças, a Secretaria de Relações Internacionais passou a ser chamada de Secretaria de Clima e Relações Internacionais. Será comandada por Marcus Henrique Morais Paranaguá, que substitui Eduardo Lunaderlli Novaes -que passa a ser adjunto de secretário-executivo do ministério.

    > Amazônia tem 2º pior agosto de desmate, só perdendo para o do 1º ano Bolsonaro

    Também foi criada a Secretaria de Áreas Protegidas -a partir da antiga Secretaria do Ecoturismo- que vai gerenciar as unidades de preservação do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Seu titular, Andre Pitaguari Germanos, será mantido.

    A publicação no Diário Oficial da União também informou a troca no comando da Secretaria de Biodiversidade, que passa a ser de responsabilidade de Maria Beatriz Palatinus Milliet. Ela substitui o brigadeiro Eduardo Serra Negra Camerini.

    Inicialmente, quando as mudanças na estrutura foram anunciadas, servidores da pasta divulgaram nota com críticas às alterações. Uma das críticas foi a criação de uma secretaria para cuidar das 334 unidades de conservação federais, o que na prática estaria esvaziando o ICMBio, que conta com mais de 1.700 servidores.

    > Fumaça dos incêndios no Pantanal e na Amazônia começa a chegar em Santa Catarina

    "Retirar atribuições desse órgão e passá-las para uma secretaria específica do MMA significa uma concentração de poder e um futuro de incertezas", afirmou em nota a Ascema (Associação de Servidores do Ministério do Meio Ambiente).

    A Ascema também critica as "idas e vindas" na reformulação da estrutura do ministério. Citam a criação da Secretaria do Clima e Relações Internacionais, na prática, significa a recriação de uma outra secretaria, extinta pelo próprio ministro Ricardo Salles no ano passado.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas