O mundo do empreendedorismo para pessoas negras é muito mais desafiador. As desigualdades e violências que nos atravessam cotidianamente contribuem e, por muitas vezes, definem a trajetória destes empresários e seus negócios. São os empreendedores negros que ganham menos, mesmo correspondendo a 52% dos donos de negócios no país. Cerca de 77,6% destes recebem até dois salários-mínimos por mês.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp 

A proporção de empreendedores pretos e pardos em atividades mais tradicionais e simples – que demandam menos qualificação e geram menor retorno financeiro – é superior à de brancos donos de pequenos negócios.

Quando o recorte de dados passa pelo gênero, mostra que a participação de mulheres pretas no empreendedorismo é menor do que em comparação com as demais raças. Entre negros, a proporção de mulheres é de 32,2%, contra 35,4% entre os brancos e 37,5% entre os donos de negócios de outras raças-cor (“amarela” / indígena).

Os dados são do levantamento feito pelo Sebrae com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do terceiro trimestre de 2023.

Continua depois da publicidade

Apesar do cenário de falta de incentivos e oportunidades, negócios negros de sucesso têm florescido e resistido em Santa Catarina. Para mostrar e celebrar algumas dessas conquistas os repórteres Edsoul Amaral, Carol Fernandes e Cristiano Gomes produziram estas reportagens especiais, que fecham a semana da consciência negra na NSC.

A seguir, você conhece a história de pessoas que sabem que os negócios delas são assim como suas peles: verdadeiras potências.

A potência dos empreendedores negros em SC se pauta na força da coletividade

A força das mulheres negras empreendedoras

Neste mês da Consciência Negra vamos falar da potência do aquilombamento, que é a reconexão com a ancestralidade, a construção de espaços coletivos de acolhimento. Uma potência que hoje impulsiona mulheres a empreender e mudar realidades.

– A todo momento estamos empreendendo desde a manhã até a noite estamos pensando em soluções que não dizem só da gente – diz Mathizy Pinheiro, psicóloga e diretora-geral do Instituto É da Nossa Cor.

Para ser uma empreendedora tem que ter estratégia. Para as mulheres negras, que entram nesse mundo sobretudo por necessidade e sobrevivência e que neste processo enfrentam desafios que limitam atuações e rendas, uma tática ancestral é o que as coloca de pé todos os dias para continuar na luta.

– O que diferencia, é que temos o poder do aquilombamento. Isso é uma coisa que fortalece muita gente estamos um cuidando do outro, um dando apoio para o outro, e crescendo um com o outro – conta Aldelice Braga.

Continua depois da publicidade

Essas duas mulheres estão ligadas pela negritude, pelo empreendedorismo, por ancestralidade e pela consciência de que seus negócios são potências, assim como suas peles. Aldelice mudou de rota e empreendeu pela necessidade:

– Sempre trabalhei com dança, com hidroginástica, atividade física em geral. Em 2009, tive uma lesão do quadril e o médico me proibiu de dançar. Pra mim foi a gota d’água. Conversando com o meu ex-companheiro, ele me disse: “Você está sempre mexendo com roupa, fazendo coisas, inventando, por que você não faz um curso de corte e costura?”. Aí, eu pensei: Opa!

Nesse processo, Aldelice teve um reencontro com os antepassados:

– Veio um filme na minha cabeça, vem da minha mãe quando eu pequena, eu fazendo as minhas roupas, fazendo as roupas dos meus irmãos, os meus tios fazendo roupas e eu do lado dos meus tios costurando – lembra.

Continua depois da publicidade

Já na vida da Mathizy, o empreendedorismo chegou pra enfrentar antigos pesadelos:

– Quando cheguei na comunidade do Pastinho, fui recebida por crianças. E dentro das conversas, uma vez eu ouvi elas falando que se elas pudessem escolher, elas seriam loiras de olhos azuis, ao invés de negras. Ouvir aquilo mexeu muito comigo, e me lembrou principalmente quando era criança. Teve vários momentos que eu pensei isso – recorda.

Não ficar indiferente àquela realidade fez as coisas mudarem.

– Criança não adianta ficar falando muito, tem que mostrar. A gente começou com os instrumentos, a fazer algumas atividades, cantando cantos afirmativos, entre eles o canto da capoeira que é “É da nossa cor”.

Na dança das agulhas, tecidos e cores, a Aldelice decidiu criar uma marca. Ela cria e recria peças exclusivas:

– Quando chegam nas minhas roupas, dizem: “Nossa, que coisa linda. É você mesmo que faz?”. Digo, sim, sou eu mesma que faço. Aí, a pessoa fica impressionada com a qualidade, com acabamento. Poxa, a gente também tem bom acabamento, tem qualidade, a gente também estuda, também pensa! – comenta.

Continua depois da publicidade

E pensando, quis aquilombar. Ajudou a fundar a feira afro artesanal de Florianópolis – que reúne expositores, em sua maioria mulheres negras. A ideia de unir todo mundo também faz parte do DNA do “É da nossa cor”.

– Começou como uma iniciativa social, se transformou no projeto e hoje a gente construiu juridicamente como instituto. A gente não está trabalhando necessariamente com racismo, porque ele não é algo nosso, não é um problema nosso, é uma violência que nos atravessa. A gente está trabalhando com a nossa cultura, falando sobre quem a gente é – explica Mathizy.

Daniela Cristina Seara de Oliveira, que é mãe e voluntária do instituto, acompanha esse processo de perto:

– Foi muito importante passar pelo projeto, até para ensinar para os meus filhos o valor que a gente negro tem, que a gente é igual a qualquer outra pessoa de outra cor – pondera Daniela.

Continua depois da publicidade

Sonhos e reflexões

Sabendo que fazem parte de um movimento que não começa e nem termina com elas, os desejos para os negócios são amplos:

– O meu sonho é um dia a gente estar no shopping, com uma rede de mulheres pretas aqui no sul. Na Bahia já tem bastante, aqui a gente não conseguiu, mas vamos conseguir – idealiza Aldelice.

– Desejo que as crianças que um dia fizeram parte do instituto criem coisas totalmente diferentes e importantes pra elas. Desejo que a gente relembre a importância de olhar para isso todos os dias, a nossa responsabilidade diante do que a gente tem construído sobre o que é ser negro, que discurso a gente tem construído. Será que está pautado no racismo? Será que é só isso que diz da gente? Ou será que a gente não pode falar outras coisas sobre nós? – reflete Mathizy.

Leia também

Dia da Consciência Negra: um despertar para a igualdade

Dia da Consciência Negra: 3 filmes para lembrar a luta contra o racismo

STF discute ação que trata da violação de direitos da população negra

Destaques do NSC Total