nsc
an

Visita presidencial

"Minha filha não vai se vacinar", diz Bolsonaro em praia de SC

Presidente também alegou que decisão de vacinação de crianças será anunciada em janeiro

27/12/2021 - 17h57 - Atualizada em: 27/12/2021 - 19h29

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Bolsonaro em SC
Bolsonaro deve passar o Ano-Novo na cidade do Litoral Norte
(Foto: )

Durante uma conversa com jornalistas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que não vai vacinar a filha de 11 anos contra a Covid-19. Nas últimas semanas, ele tem lançado suspeitas quanto à segurança do imunizante, que foi aprovado pela Anvisa para aplicação em crianças maiores de 5 anos. 

> Receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

— Estamos conversando com o [ministro da Saúde, Marcelo] Queiroga nesse sentido. Ele, dia 5, deve ditar normas de como é que deve se vacinar crianças. Eu espero que não haja interferência do Judiciário; Espero, porque a minha filha não vai se vacinar — deixar bem claro. Ela tem 11 anos de idade — disse Bolsonaro ao chegar a São Francisco do Sul, nesta segunda-feira (27), onde passará o Réveillon.

O presidente também afirmou que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve definir no dia 5 de janeiro como serão as normas para a vacinação das crianças. 

— Espero que não haja interferência do Judiciário — completeou o presidente.

Na quinta-feira (23), Queiroga afirmou que as crianças só poderão ser vacinadas com prescrição médica e consentimento dos pais. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) reagiu dizendo que não será exigido nenhum documento médico para a imunização dessa faixa etária.

Presidente voltou a levantar dúvidas em relação a vacina

Nesta segunda-feira, questionado se o vírus da Influenza é preocupação para o governo, Bolsonaro disse que não está vacinado e voltou a levantar dúvidas sobre a eficácia dos imunizantes.

— Em um primeiro momento grande parte dos contaminados estavam vacinados — disse ele.

Ele ainda complementou a fala dizendo que tem "imunidade natural": 

— Eu, por exemplo, não estou vacinado. Tenho imunidade natural. Vários estudos dizem que é muito melhor que a imunidade vacinal.

Em seguida, o presidente citou o caso de Queiroga, imunizado e infectado pelo novo coronavírus durante viagem presidencial a Nova York (EUA), em setembro. As vacinas não impedem completamente a infecção, mas têm eficácia de mais de 90% na redução dos casos graves.

Na sexta, Bolsonaro repetiu fala de Queiroga e disse que "não está havendo morte de criança" para justificar decisão emergencial sobre vacina da Covid-19 para crianças. De acordo com dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), desde o começo da pandemia até 6 de dezembro deste ano, foram registradas 301 mortes de crianças entre 5 e 11 anos por Covid-19 no país.

Em 2020, 2.978 crianças tiveram síndrome respiratória aguda grave em decorrência do coronavírus – 156 delas morrem. Neste ano, foram registrados 3.185 casos nessa faixa etária, com 145 mortes.

O Ministério da Saúde chegou a abrir uma consulta pública sobre a vacinação das crianças, considerada "idiotice", "procrastinação", "absurdo" e "coisa da idade da pedra" por especialistas em infectologia e saúde pública consultados pela Folha.

No dia 16 de dezembro, a Anvisa autorizou o uso da vacina da Pfizer para imunizar as crianças. Diretores da agência receberam ameaças por causa da análise do pedido da farmacêutica. A Anvisa solicitou, mas não recebeu proteção policial da sua cúpula e dos técnicos mais expostos.

O presidente da agência, Antonio Barra Torres, disse à Folha que a aprovação da área técnica foi baseada em estudos robustos de segurança e eficácia da vacina, além de dados epidemiológicos. 

Leia também: 

Em SC, Bolsonaro tem agenda vazia: quer descansar e reforçar 'imagem popular'

Na chegada a São Francisco, Bolsonaro recebe convite para visitar outra cidade de SC

Colunistas