nsc
dc

Fabiano Dell Agnolo 

Empreendedorismo raiz: o pequeno vendedor de pipas 

Tempos de pandemia, que desencadeou uma importante crise, a capacidade empreendedora vem sendo testada ao limite 

24/04/2020 - 12h50 - Atualizada em: 12/05/2020 - 12h11

Compartilhe

Por Tech SC
Menino de 8 anos vende pipas na frente de casa
Menino de 8 anos vende pipas na frente de casa
(Foto: )
fabiano
(Foto: )

Empreender não é tarefa fácil. E a despeito de todo o “charme” envolvido, e das oportunidades e possibilidades que o empreendedorismo proporciona, empreender pressupõe trabalho árduo, muito acima da média, e requer a capacidade de idealizar, inovar e principalmente executar.

Resumidamente, empreender é enxergar oportunidades e realizar assumindo todos os riscos envolvidos. Realizar é a palavra. Essa capacidade de execução superando todos os obstáculos, é o que faz a diferença no fim do dia.

Nesse período de quarentena observei uma situação inusitada. Dirigindo por uma área residencial da cidade, vi na rua vários garotos soltando pipa. E, devido ao isolamento social e consequente fechamento das escolas, a quantidade de garotos estava muito acima do que era comum.

Mas o que realmente chamou a atenção foi observar um “empreendimento” feito por um garoto de 8 anos de idade, o Murilo. Ele teve a ideia de vender pipas à beira da rua. Colocou uma mesa de plástico em frente a sua casa, várias pipas em exposição, e, munido de máscara e álcool gel, passou a suprir a demanda de pipas para todos os moleques da redondeza. Simplesmente brilhante! Brilhante mesmo, de tão simples. Parabenizei o “jovem empreendedor” e fui embora, feliz pelo que vi.

Penso que esse é o “espírito da coisa”. É disso que se trata o empreendedorismo. É enxergar oportunidades nas adversidades, ir prá cima, e realizar. Colocar em prática apesar dos riscos. Sim, riscos. O pequeno Murilo, apenas uma criança, correu risco de ser “zoado” pelos outros meninos, de investir todas as suas economias e “micar” com um estoque de pipas, sem uso para ele, e risco até mesmo de ser roubado. Ainda assim ele foi lá e fez.

Leia também: Na crise, a estratégia em SC é postergar eventos

Impossível não lembrar do velho chavão “enquanto uns choram, outros vendem lenços”. As oportunidades estão aí, ao nosso redor, em todos os momentos. E mesmo para aqueles não gostam de vender lenços (ou pipas), há a oportunidade de se reciclar, de aproveitar essa situação para “afiar o machado”. Enquanto uns escolhem “maratonar” no Netflix dias a fio, outros aproveitam para aprender novas habilidades, estudar, se aprimorar, enfim, se reinventar.

Empreender na realidade é simples. Mas requer muita atitude, e é aí que o bicho pega.

Bora empreender!

>> Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

Colunistas