nsc
dc

Saúde Mental

Entenda a relação entre desistência de Simone Biles na ginástica e Síndrome de Burnout

O distúrbio emocional é causado pela exaustão extrema no meio profissional; a decisão da atleta nas Olimpíadas de Tóquio foi feita para priorizar a saúde mental

28/07/2021 - 18h36 - Atualizada em: 28/07/2021 - 19h11

Compartilhe

Diane
Por Diane Bikel
Marina
Por Marina Martini Lopes
O desgaste emocional por conta do trabalho tem um nome, segundo a psicóloga Alessandra Fischer
O desgaste emocional por conta do trabalho tem um nome, segundo a psicóloga Alessandra Fischer
(Foto: )

A ginasta norte-americana Simone Biles deixou as Olimpíadas de Tóquio na manhã desta quarta-feira (28), um dia antes de disputar a final da competição. A decisão, de acordo com a federação de ginástica dos Estados Unidos, foi feita porque a atleta está com a saúde mental abalada e precisa se cuidar no momento.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O desgaste emocional por conta do trabalho tem um nome, segundo a psicóloga Alessandra Fischer, especialista em saúde mental. O distúrbio emocional causado pela exaustão extrema no meio profissional é chamado de Síndrome de Burnout e pode acontecer quando há muita cobrança, pressão e competitividade no trabalho.

- Preciso me concentrar no meu bem-estar, há vida além da ginástica. Esses Jogos Olímpicos têm sido muito estressantes... Uma longa semana, um longo ciclo olímpico e um longo ano - disse Biles na coletiva de imprensa após a desistência.

> Rayssa Leal em Blumenau teve cama improvisada, miojo e vaquinha para bancar viagem

A intensidade da pressão, os excessos de treinamentos e a exigência em “ser sempre bom” na profissão podem afetar a saúde mental do profissional, de acordo com Alessandra.

- Nos Estados Unidos, os atletas são exigidos a serem o melhor. Então, no caso dela, existia a pressão de ser referência mundial na ginástica, representando o país, e ainda uma exaustão física - comentou a especialista.

De acordo com a psicóloga, essa exaustão do trabalho pode acontecer vinda de uma frustração e uma cobrança muito grande por parte do profissional.

- A pandemia foi adiada para 2021, então provavelmente o sentimento dela tenha sido, em 2020, que ela ainda precisaria treinar muito mais para chegar nas Olimpíadas. É um sentimento de “desvalorização” depois de muito treino e uma falta de realização em comparação a todas as horas de treinamento - explicou.

Simone é considerada a maior ginasta da história dos Estados Unidos e tem 24 anos. 

> Maria Portela chora após derrota polêmica e eliminação no judô

- A cobrança de ganhar uma medalha tira o glamour do esporte. Eles ficam em cima de metas, números e resultados e isso gera um estresse e uma angústia para o atleta - comenta Alessandra.

Os sintomas, segundo a psicóloga, começam a se apresentar depois de um longo tempo de muita exigência tanto do próprio profissional quanto de pessoas externas. Para que essa frustração não aconteça, é necessário que o atleta ou qualquer outro profissional tire tempo para fazer algo que goste além do esporte.

> Quem é Rebeca Andrade, ginasta que se classificou para três finais nas Olimpíadas

- É preciso se cobrar menos. Claro que isso depende também do treinador e da equipe técnica, no caso do esporte, e estamos em um momento atípico que é a pandemia.

Coragem

Falar de saúde mental ainda é um tabu e, segundo Alessandra, a decisão de Simone é importante para todo o mundo:

- A atleta se mostrou vulnerável, e isso mostra pra nós que todos podemos passar por situações difíceis. Somos humanos e precisamos procurar ajuda. 

A coragem da ginasta impressiona a todos. De acordo com a psicóloga, é importante perceber quando é necessário dar um tempo e parar.

- O corpo sinaliza. É preciso descansar para depois retornar, isso não é demérito ou fracasso. Pelo contrário, a pessoa é forte o bastante para perceber que precisa se cuidar - afirma.

Sintomas de Síndrome de Burnout

Há uma série de razões para que a Síndrome de Burnout apareça e os sintomas podem ser vários, de acordo com Alessandra. Um dos primeiros sinais de que algo está errado é quando o indivíduo não consegue mais se divertir com o que antes trazia satisfação.

> Trajetória de Rayssa Leal até as Olimpíadas teve momento decisivo em Blumenau

Porém, os reflexos podem se apresentar por meio de outros sintomas, como alterações no sono e apetite, cansaço extremo e explosões de raiva.

Como prevenir

Com o mundo mais acelerado, as tarefas têm tido prazos específicos, e muitas vezes curtos, para serem entregues. Tanto no esporte quanto em qualquer outra profissão, a psicóloga orienta que é preciso priorizar a saúde mental em qualquer momento e tirar alguns minutos do dia para realizar alguma atividade que dá prazer:

- Um filme, um banho mais demorado. Algo que recarregue as energias. 

*Sob supervisão de Vinícius Dias.

Leia também

Prata em Tóquio, a fadinha Rayssa já brilhou em Criciúma

Pigossi e Stefani vão à semifinal de duplas femininas no tênis em Tóquio

Com trio de Florianópolis, seleção brasileira de skate park chega a Tóquio

Italo do surfe teve seu primeiro pódio em Garopaba há 10 anos

Colunistas