Um grupo de empresas suspeito de emitir R$ 4 bilhões em notas fiscais falsas é alvo de uma operação realizada pela Polícia Federal e a Receita Federal nesta terça-feira (16). A ação, batizada de Gauteng, cumpre 22 mandados em onze cidades catarinenses. Os alvos são estabelecimentos que atuam na cadeia de sucatas.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

De acordo com a Receita Federal, o caso foi descoberto após um cruzamento de dados e uso de informações de inteligência, em dezembro de 2021. O órgão detectou indícios da existência de empresas de fachada — conhecidas como Noteiras — que emitiram R$ 4 bilhões em notas fiscais falsas, que eram destinadas a empresas que atuam no ramo de sucatas.

VÍDEO: Compartimento falso de van em Itapoá revela maior apreensão de cocaína do ano em SC

Durante a apuração, a Polícia Federal identificou que o esquema tinha como foco a obtenção de benefícios fiscais no segmento de metais e sucatas. Algumas empresas foram abertas usando o nome de laranjas, beneficiárias do Auxílio Emergencial, que movimentaram altos valores em dinheiro em contas bancárias. A ação foi detectada em pelo menos quatro estados

Continua depois da publicidade

Nas investigações, foram identificados três núcleos que envolvem mais de 80 pessoas e empresas da cadeia de metalurgia e siderurgia. Eles utilizavam as notas fiscais falsas para burlar a fiscalização, sonegar impostos e “esquentar” mercadorias roubadas.

Além da operação com sucatas, segundo a investigação, o operador do esquema transacionou bilhões em notas fiscais de ouro. A suspeita de que essas movimentações possam estar relacionadas a crimes de lavagem de dinheiro, extração ilegal de minérios, sonegação de impostos, entre outros delitos.

Nesta terça-feira, são cumpridos 59 mandados de busca e apreensão em empresas e nas casas dos suspeitos de participarem do esquema, nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Também são cumpridas ordens judiciais para o bloqueio de imóveis, contas bancárias e arrecadação de bens que seriam da organização criminosa.

Eles podem responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, uso de documento falso e sonegação fiscal.

Continua depois da publicidade

Confira os locais de cumprimento dos mandados

  • Caxias do Sul/RS – 16
  • Bento Gonçalves/RS – 01
  • Porto Alegre/RS – 01
  • Joinville/SC – 04
  • Araquari/SC – 01
  • Lages/SC – 04
  • Balneário Camboriú/SC – 01
  • Pomerode/SC – 04
  • Jaraguá do Sul/SC – 01
  • Guaramimim/SC – 01
  • Braço do Trombudo/SC – 01
  • Barra Velha/SC – 02
  • Massaranduba/SC – 02
  • Schroeder/SC – 01
  • Curitiba/PR – 01
  • São Paulo/SP – 01
  • Ribeirão Preto/SP – 07
  • Jaboticabal/SP – 10

Leia também:

Bolsonaro depõe em caso que investiga fraude no registro da vacinação contra a Covid-19

Fotos revelam desafio de conclusão do Contorno da Grande Florianópolis

Destaques do NSC Total