nsc

    Saneamento

    Estação de tratamento de esgoto da Casan terá ampliação em Florianópolis

    Unidade passará de 125 mil a 225 mil moradores beneficiados após conclusão das obras

    03/07/2020 - 16h12 - Atualizada em: 03/07/2020 - 16h39

    Compartilhe

    Leandro
    Por Leandro Lessa
    ETE Insular, em Florianópolis
    ETE Insular, em Florianópolis
    (Foto: )

    A Casan abriu os envelopes de preços no processo de licitação para ampliar a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Insular, localizada na entrada da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis. Segundo a companhia, trata-se da maior obra de saneamento em SC. 

    > Os impactos do novo Marco Legal do Saneamento em Santa Catarina

    O menor valor apresentado pelas construtoras concorrentes, de cerca de R$ 145,5 milhões, vai para análise técnica. Em seguida, a proposta será enviada para um parecer da Jica, a Agência de Cooperação Internacional do Japão, que financia os recursos. 

    Atualmente, a ETE Insular atende cinco bairros de Florianópolis − Centro, Trindade, Agronômica, Saco dos Limões e Costeira. Com a ampliação, a unidade vai passar a beneficiar 12 bairros ao todo, passando de 150 mil para 225 mil moradores atendidos. 

    − Será possível receber toda a rede assentada, mas que ainda não está em operação, no Itacorubi, uma parte do Parque São Jorge, Jardim Anchieta e Pantanal, como também algumas áreas do José Mendes e o "pé" do Morro da Lagoa − diz o engenheiro Guilherme Campos, gerente de Politicas Operacionais da Casan. 

    Na modernização dos processos de tratamento, além da retirada de matéria orgânica, também serão removidos os chamados "nutrientes" do esgoto sanitário − nitrogênio e fósforo. O prazo para conclusão da obra é de dois anos e meio. 

    Companhia relata poucos estragos com o ciclone 

    Segundo o engenheiro, o principal problema com o ciclone foi o desabastecimento causado pela falta de energia elétrica. O relato foi de pequenos danos materiais em agências, e um reservatório em Seara, no Oeste de SC, que teve perda total. 

    Assim como a Celesc, o atendimento da Casan pelo call center chegou a ficar interrompido devido ao rompimento do cabo de fibra ótica. O estado ainda sofre dificuldades com a estiagem, com volume de chuvas abaixo do normal desde maio/junho de 2019. 

    > Cidades atingidas por ciclone em SC terão linha direta com Defesa Civil nacional

    > "Não vai faltar recurso", diz senador sobre visita de Bolsonaro a SC após ciclone bomba

    Ouça a entrevista completa para a CBN Diário:

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas