nsc

publicidade

Acordo

Estudantes desocupam reitoria da UFFS, no Oeste de SC

Medida foi aprovada após Conselho Universitário marcar sessão para recomendar destituição do reitor

19/09/2019 - 17h01 - Atualizada em: 19/09/2019 - 17h11

Compartilhe

Darci
Por Darci Debona
Reitoria da UFFS ficou ocupada por estudantes há três semanas
Estudantes já retiraram cartazes e liberaram entrada do prédio da reitoria da UFFS, em Chapecó
(Foto: )

Depois de três semanas, os estudantes do movimento "Ocupa UFFS" começaram a deixar a área do prédio da reitoria da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), no centro de Chapecó, nesta quinta-feira (19). Eles já retiraram as faixas de protesto contra a nomeação do reitor Marcelo Recktenvald e do vice Gismael Perin e solicitaram prazo até as 10h de sexta-feira para retirada das barracas e materiais utilizados durante a ocupação.

A decisão foi tomada em assembleia na noite de quarta-feira, após o Conselho Universitário ter intermediado um acordo. O Conselho aprovou uma convocação para o dia 30 de setembro com o objetivo de votar uma recomendação de destituição do reitor.

Essa era uma das reivindicações do movimento, que não reconhece a nomeação do atual reitor, que ficou em terceiro na consulta pública mas que, como se tratava de uma lista tríplice para apreciação do presidente, acabou sendo escolhido. Isso desagradou boa parte da comunidade universitária.

— Para o movimento, a avaliação foi bastante positiva, pois tivemos nossas pautas aprovadas. O Marcelo Recktenvald dificultou a negociação, mas tivemos nossas pautas atendidas pelo Conselho Universitário. Vamos continuar fazendo oposição e lutando contra a nomeação que é um ataque à democracia e à autonomia da universidade – disse o estudante Eduardo da Costa, em entrevista para a NSC TV.

Recktenvald disse que a proposta foi aprovada para garantir a desocupação e por um grupo de conselheiros que tinha um interesse ideológico na questão. Mas ele considera difícil aprovação por 2/3 dos conselheiros e afirmou que, mesmo aprovado, depende de decisão do presidente da República. O reitor destacou que solicitou a participação da comunidade na discussão sobre o pedido de destituição.

— A comunidade que paga imposto quer a destituição ou quer uma gestão eficiente. Estou bem esperançosos pois, apesar do clima tenso e truncado na reunião do conselho, a desocupação vai permitir entrar na reitoria, nomear as equipes e garantir os fluxos e processos de gestão — disse o reitor.

Deixe seu comentário:

publicidade