nsc

Itacorubi

Exigência de teste de covid em crianças causa polêmica em creche de Florianópolis

Aulas estão suspensas para atender o protocolo sanitário para evitar contaminações

08/10/2021 - 13h49 - Atualizada em: 08/10/2021 - 13h50

Compartilhe

Juliana
Por Juliana Gomes
Jorge
Por Jorge Jr.
Parquinho infantil em Santa Catarina
Parquinho de escola infantil em Santa Catarina
(Foto: )

A suspensão das aulas para uma turma do Núcleo de Educação Infantil (Neim) Joaquina Maria Peres, no bairro do Itacorubi, em Florianópolis, após um caso suspeito de covid, na última quarta-feira (6) está causando polêmica. Mesmo com resultado negativo obtido em testes de farmácia, os pais não conseguiram que os alunos voltassem a ser atendidos na escola.

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

Segundo a diretora da unidade, Juliana Francisco de Medeiros, as aulas foram paralisadas em atenção às medidas sanitárias para evitar a disseminação do vírus.

- Estou seguindo protocolos da Vigilância Epidemiológica, tenho que suspender o grupo - explicou Juliana.

Com teste de farmácia, alguns pais verificaram que as crianças não haviam sido infectadas, mas a escola informou que a testagem deve seguir o padrão adotado pelas autoridades sanitárias.

- Não sou eu que suspendo ou libero, a vigilância epidemiológica é que faz este controle. Só podemos retomar as aulas com autorização do órgão competente - explicou a diretora Juliana.

Dificuldades

Uma mãe de aluno que conversou com a CBN Diário, mas não quis ser identificada, relatou que o cancelamento de aulas tem sido frequentes, o que dificulta a vida das famílias, já que muitas não têm condições de pagar babá.

- Eu trago meu filho (de 3 anos) para o trabalho. (...) A gente fica sabendo sempre em cima da hora, avisaram às 22h de quarta (6) que até segunda (11) não haverá aula. Então, os pais não tem como se organizar - relatou a mãe.

> Morro da Lagoa terá interdição neste domingo em Florianópolis

De acordo com a diretora Juliana Francisco de Medeiros, além desta dificuldade com a suspeita de covid, a escola está com um professor a menos há alguns dias, depois que um dos profissionais da unidade precisou se afastar do trabalho para tratamento de saúde.

- Estamos aguardando a realização de um concurso para professor temporário. Até temos conseguido atender esta turma ao menos três vezes por semana, com a reposição de horas de professores que participaram da última greve, mas ainda assim, temos esta dificuldade - explicou a diretora.

Por meio de nota, a secretaria municipal de saúde informou que toda da turma, da criança com sintomas de covid, passará por testagem, por isso o protocolo indica a suspensão de aulas.

“Os demais grupos da unidade estão com atividades presenciais. No entanto, momentaneamente, não podem ser atendidos de forma integral, pois alguns profissionais encontram-se em licença-médica. De acordo com a legislação, a substituição de profissionais, por parte do poder público, só pode ocorrer quando o afastamento for superior a 16 dias”, explicou a secretaria.

A reportagem questionou a prefeitura sobre a contratação de professor e o retorno às aulas, mas obteve retorno apenas sobre da assessoria sobre o protocolo para volta às aulas.

"Tudo depende da avaliação epidemiológica. O protocolo é que se encontrar um caso suspeito, deve entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica. É importante salientar que, cada escola deve ter seu Plancon aprovado onde estas ações devem ser previstas. O teste indicado, depende dos dias de sintomas e do contato, novamente, tudo é indicado pela VE. O SUS fornece testes contra Covid-19, desde o começo da pandemia".

Leia Mais:

Aterro da Baía Sul em Florianópolis será vendido

Como votaram os catarinenses na lei que dificulta combate à corrupção​​

Deputado do PT-SC quer taxar super-ricos para ajudar vítimas da Covid; entenda

São José terá Avenida Beira-Rio com custo avaliado em R$ 64 milhões

Colunistas