Santa Catarina registrou em outubro o quarto recuo seguido das exportações, segundo dados do Observatório Fiesc, por conta da desaceleração da economia global, que reduziu a demanda por produtos catarinenses. No mês passado, o Estado exportou US$ 826,7 milhões, valor 11,2% menor que no mesmo período do ano passado.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

As carnes de aves tiveram a maior redução em outubro (16,8%), apesar de seguirem no topo da lista de produtos mais exportados. Conforme o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, a queda dos embarques para o Japão foi o que mais impactou.

— A queda na demanda do Japão, um dos principais compradores do produto, está entre os fatores determinantes para esse impacto no mercado internacional. No país, a desvalorização cambial e a inflação ainda persistente têm diminuído o consumo das famílias — afirma o presidente da Fiesc.

Carne suína

Já as exportações de carnes suínas foram impactadas negativamente pela redução na demanda do principal comprador, a China. Neste ano, os criadores de suínos chineses aumentaram a quantidade de animais para o abate, antecipando um crescimento no consumo interno que não se concretizou.

Continua depois da publicidade

Diante do aumento da oferta nacional, o país asiático reduziu suas importações do produto, resultando na queda de 65,4% nas exportações do Estado em comparação com o ano anterior.

Por outro lado, Santa Catarina ampliou as vendas da carne suína para as Filipinas, que se tornaram o segundo maior comprador e se igualou ao montante exportado para a China nos últimos três meses.

Cenário global

A crise econômica na Argentina também impactou o comércio exterior catarinense, com queda de 33,4% nas compras vindas de Santa Catarina, em relação ao mesmo mês do ano passado. Produtos do setor de metalurgia e metalmecânica, como revestimentos de ferros laminados planos, fios de cobre, aços laminados planos e ferros laminados a frio, foram os mais afetados.

Esse cenário também tem a contribuição dos elevados níveis das taxas de juros nos Estados Unidos, que seguem restringindo as exportações de insumos para a construção civil. Em outubro, os principais impactos foram sentidos nas vendas externas de obras de carpintaria para construções, revestimentos cerâmicos, móveis para dormitórios e produtos em madeira.

Continua depois da publicidade

Apesar dos resultados negativos, Santa Catarina teve destaque nas exportações de grãos e seus derivados, devido às safras recordes de soja e milho registradas em 2023. Neste ano, houve aumento dos embarques de soja para a China, farelo de soja para o Irã e de milho para a Coreia do Sul e para países do Oriente Médio.

Leia também

Pagamento do 13º salário injetará R$ 13 bilhões na economia de SC

A história dos três amigos que fundaram uma gigante da tecnologia em SC

Pequena cidade de SC é a melhor do Brasil para viver após os 60 anos

Destaques do NSC Total