nsc
    dc

    Alerta

    Febre amarela causa 2 mortes em SC em 2020; casos em macacos crescem 16 vezes

    Óbitos aconteceram nos municípios de Camboriú e Indaial

    30/12/2020 - 15h56

    Compartilhe

    Catarina
    Por Catarina Duarte
    O caso de morte de macaco mais recente foi registrado em Abelardo Luz, no Oeste de SC
    O caso de morte de macaco mais recente foi registrado em Abelardo Luz, no Oeste de SC
    (Foto: )

    Santa Catarina registrou 17 casos humanos de febre amarela em 2020. Destes, dois evoluíram para óbitos. As vítimas eram moradoras de Camboriú e Indaial. As mortes em razão da doença aumentaram ainda entre os macacos, animais que alertam para a circulação do vírus. Em comparação com 2019, o crescimento foi de 1.500%, o que representa um total de óbitos quase 16 vezes maior.

    O número de mortes em humanos se manteve igual se comparado com 2019, quando dois homens — de Joinville e Itaiópolis — morreram. Em relação aos macacos, o número de óbitos passou de oito no ano passado para 127 em 2020. O caso mais recente foi o de um bugio em Abelardo Luz, no Oeste do Estado, no final de novembro.

    — Esse número é muito maior do que o que foi encontrado em 2019 e mostra a situação viral aqui em Santa Catarina. E mais ainda, como a gente se aproxima do período sazonal, isso agora em novembro e dezembro, e se estende nos próximos meses, sinaliza que novamente nós vamos ter o vírus circulando aqui no Estado e possivelmente afetando áreas novas como é a questão do Oeste — explica o gerente de zoonoses da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC), João Fuck. 

    De acordo com a Dive, a melhor maneira de prevenir a febre amarela é pela vacinação. Santa Catarina é área de recomendação para vacinação desde o segundo semestre de 2018, mas a cobertura está abaixo da meta. O ideal é que 95% do público-alvo seja imunizado. Atualmente, a cobertura vacinal do Estado está em 70,67%.

    > AstraZeneca sinaliza à Anvisa que pedirá uso emergencial de vacina

    A vacina deve ser tomada principalmente por moradores de municípios onde já ocorreram notificações de macacos mortos ou doentes, assim como a confirmação da circulação viral nestes locais.

    A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos em áreas silvestres e próximas de matas. Os macacos sinalizam a circulação do vírus da febre amarela porque vivem no mesmo ambiente que o mosquito transmissor da doença e são os primeiros a adoecer. A morte ou o adoecimento dos primatas é um alerta para os gestores e profissionais de saúde adotarem medidas de prevenção, uma vez que a doença nestes animais precede os casos humanos. 

    Leia também: 

    Número de regiões em nível gravíssimo para o coronavírus cai de 16 para 12 em SC

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas