Joinville terá uma audiência pública para discutir a atual situação da saúde pública municipal. O encontro será no dia 19 de junho, às 19h30, na Câmara de Vereadores. A data foi definida pela comissão especial de saúde. 

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp 

A reunião deve discutir pontos sensíveis da área, como as filas em pronto atendimentos, falta de consultas com clínicos gerais e especialistas, falta de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e o avanço da dengue na cidade. 

Desde a última segunda (12), a Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) Leonardo Schilickmann, no bairro Iririú, estendeu o horário de atendimento para até às 19h. Antes, o local funcionava até às 17h. A medida faz parte do “plano de melhorias” anunciado pela da prefeitura de Joinville após crise enfrentada com longas filas, lotação e reclamações da população voltadas contra os hospitais e unidades de saúde. 

O presidente da comissão, Cláudio Aragão (MDB), explicou que a intenção da audiência é discutir, junto com a comunidade, os problemas e encontrar ações efetivas.

Continua depois da publicidade

— Queremos a participação da comunidade na audiência para auxiliar a comissão especial de saúde nas indicações das necessidades e ações a serem realizadas pela prefeitura — aponta.

Até o momento, a comissão visitou sete lugares da cidade: Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria; UPA Norte, no bairro Costa e Silva; UPA Leste do bairro Aventureiro, UPA Sul, no bairro João Costa; Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) dos bairros Jardim Edilene, Estevão de Matos e Jarivatuba.

Problemas na saúde de Joinville

Em abril, o tempo de espera para atendimento no Hospital de Infantil de Joinville chegou a oito horas. À época, o local atingiu a ocupação máxima nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), com 50 leitos ocupados. Além disso, os 110 leitos de enfermaria foram preenchidos. 

No mesmo mês, a Comissão de Saúde, formada por vereadores, apontou problemas na UPA Sul, como falta de remédio e “desorganização interna”. 

Continua depois da publicidade

Em março, uma mãe chegou a agredir uma funcionária de um hospital público de Joinville por causa do tempo de espera no atendimento. Além disso, pacientes da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Leste enfrentaram filas e horas de espera para serem atendidos. 

No início de junho, Joinville confirmou quatro mortes por dengue As vítimas tinham 45, 56, 79 e 86 anos. Com esses casos, a cidade do Norte de Santa Catarina atingiu 22 óbitos por causa da doença somente em 2023, maior marca na história do município.

Dicas para combater mosquito da dengue

Leia também

Chacina em Joinville: sexto suspeito se entrega à polícia; quatro seguem foragidos

Lei sobre radares de Joinville motiva contestação de licitação

Câmera revela maus-tratos em creche e servidora é afastada em Rio Negrinho

Destaques do NSC Total