nsc
an

Feminicídio

Filha de mulher morta pelo marido em Joinville tentou impedir o crime

Gabrielle Krossin foi morta a facadas pelo marido no bairro Vila Nova

12/08/2021 - 12h47 - Atualizada em: 12/08/2021 - 13h43

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Gabrielle Krossin
Gabrielle Krossin tinha 37 anos e morava no bairro Vila Nova
(Foto: )

A filha de 16 anos de Gabrielle Alexsandra Krössin Niemes tentou impedir que a mãe fosse morta pelo próprio marido na madrugada desta quinta-feira (12) em Joinville. No entanto, a adolescente não conseguiu parar o homem, que atingiu a esposa com golpes de faca no bairro Vila Nova.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O crime aconteceu aconteceu por volta das 3h40 na rua Augusto Eccel. Gabrielle foi encontrada pela polícia caída no chão da sala já sem vida. Em conversa com os policiais, a filha da vítima informou que estava no quarto quando ouviu gritos da mãe na sala da casa.

Ao chegar no cômodo, a filha viu o pai em cima da esposa com uma faca em mãos. Segundo relato à polícia, a adolescente tentou puxar o homem, mas não conseguiu. Foi quando ele teria golpeado a mulher com a faca.

O homem fugiu do local de carro e o veículo foi encontrado por outra equipe da PM, às margens da BR-101. O homem foi localizado depois no Hospital São José porque teria tentado se matar ao se jogar na frente de um veículo na rodovia federal. Ele sofreu lesões e foi levado ao hospital.

> Assine a newsletter do A Notícia e receba os destaques da região no seu e-mail

Os policiais deram voz de prisão ao suspeito, que foi conduzido para a central de polícia logo após ser liberado pelo hospital. O caso agora será investigado pela Polícia Civil.

O velório de Gabrielle está marcado para a Paróquia Nossa Senhora Medianeira, no bairro Vila Nova. Até o início da tarde desta quinta-feira, a família ainda não havia definido o horário e local do sepultamento, que deve acontecer na sexta-feira (13).

Leia também:

Funcionário de empresa de Jaraguá do Sul não aceita suspensão e vira caso de polícia

Motorista de app assassinado em Joinville cobrou mais segurança dias antes da morte

Colunistas