nsc
dc

Histórias

Refugiada grávida da Ucrânia tem filha em Florianópolis: “Foi lindo”

Casal chegou no Brasil em maio, quando a mulher estava com 32 semanas

24/06/2022 - 06h17 - Atualizada em: 24/06/2022 - 06h41

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Sofia
Por Sofia Mayer
Redação
Por Redação DC
Bebê nasceu na madrugada de quinta-feira (23) em uma maternidade da região continental de Florianópolis
Bebê nasceu na madrugada de quinta-feira (23) em uma maternidade da região continental de Florianópolis
(Foto: )

A filha de uma refugiada da guerra na Ucrânia nasceu na madrugada de quinta-feira (23) em Florianópolis. Alina e o marido, Oleg Mihalevich, chegaram de Kiev no início de maio, quando ela estava de 32 semanas. As informações são do g1.

> Compartilhe essa notícia no WhatsApp

Sem conhecidos no Brasil, a família procurou por um médico que desse continuidade ao pré-natal da bebê em segurança. O obstetra Diego Di Marco foi quem os acompanhou até o nascimento da menina, chamada de Olívia. 

Durante as consultas e até no parto, o casal foi acompanhado por uma tradutora de russo, língua que os dois falam fluentemente. 

— Quando que eu poderia imaginar que uma guerra ocorrendo a milhares de quilômetros iria impactar diretamente na minha vida profissional? (...) O parto foi lindo — disse o médico.

Alina, conforme o que contou Diego, quase não conseguiu ter parto normal por falta de dilatação. 

> Conflito entre Rússia e Ucrânia completa 100 dias; reveja momentos marcantes da guerra

— Até que, após um passeio no shopping, o colo abriu, e viemos internar. Dali pra frente, tudo foi muito rápido, e em pouco mais de 3 horas, a Olívia chegou ao mundo com saúde, para a felicidade de todos! — escreveu em uma rede social.

— O parto foi lindo — comentou o obstetra ao g1.

> Bombardeio na Ucrânia levanta fumaça laranja com nitrato de amônio

Segundo o que divulgou o pai da criança na internet, a bebê nasceu com 3,4kg e 48cm. 

"Já te adoramos, nosso universo", publicou Oleg na Internet. 

O parto aconteceu em uma maternidade na região continental da Capital. Segundo o médico, é na região que há o único cartório que aceita fazer o registro de refugiados sem documentos traduzidos e juramentados. 

Leia também

2º Festival de Cinema Negro começa em Florianópolis com atrações gratuitas

Bolsonaro volta ao reduto de SC em meio a acenos a religiosos e polêmica no MEC

Colunistas