Um representante da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), vindo de Brasília, será o responsável pela negociação entre os dois grupos que disputam o poder na aldeia Kondá, em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. O conflito entre o atual cacique e seus opositores causou uma briga generalizada no fim de semana, que terminou com a morte de uma pessoa e deixou outras 13 feridas.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O membro da Funai chegou ao local nesta quarta-feira (20) para a rodada de negociação com ambos os grupos. Também participam da reunião a Polícia Militar (PM) e o Ministério Público Federal (MPF), além de outras autoridades.

Segundo a Funai, o conflito tem a ver com uma disputa de poder que dura mais de 30 dias no local. O coordenador regional do órgão, Adroaldo Antônio Fidelid, informou que o caso envolve opositores do atual cacique, que não reconhece o resultado das últimas eleições internas. Já a oposição diz que vem sofrendo ameaças de expulsão dentro da aldeia.

Enquanto as conversas ocorrem, os indígenas seguem acolhidos no Ginásio Municipal Ivo Silveira, em Chapecó. Até esta quarta-feira (20), 340 pessoas, entre crianças, adultos e idosos, estavam no local. Ainda não há previsão de quando eles devem deixar o abrigo, segundo a prefeitura.

Continua depois da publicidade

Em reunião na terça (19), o governo de SC anunciou o envio de reforço de policiais militares para a aldeia Condá e arredores. O objetivo é que eles atuem junto aos agentes locais que já trabalham na segurança da comunidade.

— Estamos atendendo determinação do governador Jorginho Mello preocupado com a violência e o grave distúrbio que ocorreu na aldeia Condá e nos reunimos com as forças de segurança de SC, o procurador da República e a Polícia Federal. Pretendemos o mais rápido possível encontrar soluções para que a aldeia volte à tranquilidade — afirma o secretário de Estado da Segurança Pública de Santa Catarina, Paulo Cezar Ramos de Oliveira.

O que se sabe e o que falta saber sobre o conflito em aldeia indígena de SC com morte e feridos

Entenda o caso

O conflito ocorreu na manhã deste domingo (16), na Aldeia Kondá, localizada a 15 quilômetros de Chapecó. Uma festa ocorria na aldeia quando indígenas de um grupo opositor ao atual foram até o espaço, o que deu início a uma briga generalizada.

Durante a confusão, 17 casas e cinco veículos foram incendiados. Ao menos 11 pessoas ficaram feridas — sendo que um permanece internado — e uma foi morta. Segundo o Corpo de Bombeiros Militar, houve troca de socos, pontapés, pedradas e uso de arma de fogo.

Continua depois da publicidade

Um inquérito foi aberto pela Polícia Federal para apurar o caso. Procurado pela reportagem, o órgão afirmou que só irá se manifestar sobre o caso após a conclusão do relatório final.

Leia também:

Tropa de choque reforça segurança na Aldeia Kondá após conflito com morte e 300 indígenas devem voltar para casa

PM planeja implantar o “bico oficial” para ter policiais nas escolas em SC

Ventos de até 80 km/h arranca placa e assusta moradores em Chapecó

Destaques do NSC Total