nsc
    santa

    Tragédia no RJ

    Flamengo chega a acordo com família do catarinense Bernardo Pisetta, morto em incêndio do Ninho do Urubu

    Pai do garoto que morreu na tragédia de fevereiro do ano passado confirmou ao Santa o fim da negociação com o Rubro-Negro

    09/06/2020 - 09h44

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Camisas homenageiam Bernardo Pisetta, jovem de Indaial que morreu no incêndio no Ninho do Urubu.
    Camisas homenageiam Bernardo Pisetta, jovem de Indaial que morreu no incêndio no Ninho do Urubu.
    (Foto: )

    O Flamengo e os familiares de Bernardo Pisetta, jovem goleiro de Indaial morto no incêndio do Ninho do Urubu, em fevereiro do ano passado, chegaram a um acordo de indenização. O contrato foi assinado no início da noite desta segunda-feira (8), em Santa Catarina A informação foi dada pelo presidente do Rubro-Negro, Rodolfo Landim, durante o programa Bem, Amigos! do SporTV, e confirmada pela reportagem do Santa.

    Os valores da indenização são mantidos em sigilo — há uma cláusula contratual que prevê a confidencialidade da cifra. O pai de Bernardo, Darlei Pisetta, porém, garantiu que as negociações chegaram ao fim e cita dois sentimentos: o alívio por ter tirado um “desgaste” das costas — como ele mesmo se refere às conversas com o Flamengo — e o luto pelo filho.

    — Te confesso que ontem [segunda-feira] foi um dia semelhante ao da perda do Bernardo. Talvez tenha sido até o pior. Ficou uma sensação muito ruim, porque eu queria estar celebrando a assinatura do primeiro contrato profissional do meu filho, e não um contrato de indenização pela morte dele — afirma Darlei Pisetta.

    Bernardo Pisetta, catarinense de Indaial que morreu na tragédia do Ninho do Urubu.
    Bernardo Pisetta, catarinense de Indaial que morreu na tragédia do Ninho do Urubu.
    (Foto: )

    Leia também: Um ano do adeus: familiares de vítimas de incêndio no Ninho do Urubu falam de luto e saudade

    O pai de Bernardo foi um dos familiares que se manifestou contra a postura do Flamengo após a morte dos jovens atletas. Em uma entrevista concedida em frente ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), semanas após a tragédia, Darlei questionou os diretores do clube da Gávea e chegou a dizer que “não se faz nem com cachorro” a forma com que os representantes do Rubro-Negro estariam agindo.

    — Nunca tive rancor ou mágoa da instituição Flamengo. Respeito o clube, que é grandioso, mas questiono a conduta que foi tomada pelos dirigentes até agora. Acho que poderia ter sido diferente. Um pouco de respeito com os familiares e com os meninos que faleceram é imprescindível. Não tem valor que pague isso — aponta o pai de Bernardo.

    Pelo Twitter, o vice Geral e Jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee, confirmou o fim da negociação com os familiares de Pisetta: “quero agradecer a gentileza, educação e respeito que sempre recebi por parte do Danrlei Pisetta, pai do nosso atleta Bernardo. Tudo que passou foi terrível e Bernardo jamais será esquecido”, escreveu.

    Relembre

    O incêndio no Ninho do Urubu ocorreu em 8 de fevereiro de 2019 no alojamento em que ficavam os atletas das categorias de base do Flamengo. Ao todo, 10 jovens jogadores morreram (entre eles dois catarinenses, Bernardo Pisetta e o atacante Vitor Isaías) e três ficaram feridos. O fogo teria começado em um dos aparelhos de ar-condicionado das acomodações.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Esportes

    Colunistas