Jucykelly Ventura, de 37 anos, trabalhava em uma funerária na cidade de Monteiro, no Cariri paraibano, e fez um acordo com os donos da empresa após ser demitida, e como indenização trabalhista, recebeu um caixão de luxo avaliado em R$ 10 mil. As informações são do g1.

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

A funcionária recebeu o caixão há cerca de dois meses e desde então a urna funerária está instalada na cozinha da casa do pai dela, esperando ser vendida. Jucykelly trabalhou na funerária por dois anos. O vínculo com a empresa era informal, e ela aceitou pois estava precisando de dinheiro, mas a história mudou quando o antigo dono morreu.

— Ela fechou por um tempo e quando retornou, com outros donos, não entraram em contato comigo para dizer se eu seria demitida ou se voltaria às atividades. Fiquei aguardando alguns dias e foi quando os novos donos entraram em contato comigo para me fazer uma proposta de indenização pelo período trabalhado — conta Jucykelly.

Como os novos donos disseram à Jucykelly que não teriam dinheiro para pagá-la, e que só dispunham dos bens herdados da empresa para indenizar a funcionária, se propuseram entregar o caixão, avaliado em R$ 10 mil. A dona do “caixão de luxo” agora espera vender a urna funerária para poder usufruir do dinheiro da indenização.

Continua depois da publicidade

— A minha primeira reação foi de espanto, não só por causa da proposta, mas porque o caixão era muito grande e não iria caber lá em casa. Então eu falei com meu pai para deixar na casa dele e quando ele disse que podia, eu aceitei o acordo, contratei um frete aqui da cidade e levei para lá — conta.

Veja fotos do caixão

*Sob supervisão de Andréa da Luz

Leia também

FOTOS: Beiçola, de “A Grande Família”, está gravando filme no Oeste Catarinense

Entenda por que Ludmilla acusou o deputado Thiago Gagliasso de racismo

Destaques do NSC Total