A população de Florianópolis vai às urnas em outubro para as eleições municipais de 2024 com a missão de eleger o prefeito que irá comandar a cidade nos próximos quatro anos. O ato pode parecer um direito básico da atual democracia, mas é apenas a 11ª vez em que os eleitores da Capital catarinense poderão votar diretamente em quem eles acreditam que deve administrar o município desde 1985.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Logo nos primeiros anos da ditadura militar, as eleições diretas para prefeito de capitais e de cidades consideradas estratégicas para a “segurança nacional” foram proibidas. A gestão da cidade ficava a cargo de nomes indicados pelo governo do Estado. Foram quase 20 anos, de 1966 a 1985, em que o comando da prefeitura foi definido desta forma. Antes desse período, os prefeitos foram escolhidos por voto direto apenas em alguns anos específicos, entre as décadas de 1950 e 1960.

Desde o retorno das eleições diretas para prefeito de capitais, incluindo Florianópolis, o MDB foi quem mais governou a capital catarinense, com três mandatos (Edison Andrino, eleito em 1985, Dário Berger, vencedor na disputa de 2008, e Gean Loureiro, que triunfou pelo grupo emedebista em 2016). Em seguida está o atual PP, com dois mandatos seguidos de Ângela Amin, quando o partido ainda se chamava PPB, com vitórias em 1996 e 2000.

Quem são e como estão os últimos 10 prefeitos de Florianópolis

Continua depois da publicidade

Leia também

Eleições 2024 terão segundo turno em mais de 100 cidades no Brasil pela primeira vez

Partidos de SC têm datas de convenções indefinidas a 15 dias do início do prazo legal

Prefeitos Tiktokers viram um problema para a Justiça Eleitoral

Destaques do NSC Total