nsc

FURTOS CABOS ELÉTRICOS

Polícia Civil de SC vai ampliar trabalho de inteligência contra furto de fiação elétrica

Números da Celesc apontam crescimento do crime, passando de 1,8 mil em 2020 para 2,3 mil apenas até a metade de novembro deste ano

14/12/2021 - 16h48 - Atualizada em: 14/12/2021 - 16h56

Compartilhe

Yan
Por Yan Pedro
fios elétricos em poste
Em Joinville, o furto de fios elétricos já trouxe prejuízo de R$ 55 mil para o município
(Foto: )

A Polícia Civil de Santa Catarina anunciou que vai ampliar o trabalho de inteligência e operações contra furtos e receptação de fiação elétrica. Segundo a Celesc, até o dia 15 de novembro, 2021 já aconteceram mais de 2,3 mil ocorrências em instalações da companhia - no ano passado, esse número ficou em torno de 1,8 mil.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Em Joinville, o furto de fios elétricos já trouxe prejuízo de R$ 55 mil para o município em dez dos pontos mais visados, segundo a Secretaria de Infraestrutura Urbana (Seinfra). Somente na rua das Palmeiras, foram pelo menos quatro episódios de furtos somente neste ano. Além do prejuízo financeiro, a ação também deixa os espaços sem iluminação até que seja feita a reinstalação. 

Em entrevista nesta terça-feira (14) ao programa CBN Total, na CBN Joinville e CBN Diário, o diretor da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminal), Verdi Furlanetto, alertou que esse tipo de crime pode causar um dano irreparável.

- Além da questão financeira, eles causam um dano a escolas, hospitais e repartições públicas - apontou Furlanetto.

São dois tipos de crimes praticados e que serão alvos da ação da Polícia Civil: o furto em subestações, que geram prejuízo maior, podendo causar paralisação do fornecimento a um grande número de consumidores, e o furto considerado de menor potencial, em praças, pontes e postes, entre outros locais.

Em setembro, um homem foi baleado no bairro Guanabara enquanto roubava a fiação elétrica de um poste na rua Nacar. Verdi Furlanetto, diretor da Deic, classificou essas ações como “furto formiguinha”.

- A gente observa que, em decorrência dessa certa facilidade em ser subtraído, essas pessoas que são usuários de drogas, eles praticam esse pequeno furto. É o furto formiguinha, vai na praça, construção abandonada e tira pedaços de fios, para depois mandar para o receptador com certo volume - disse o diretor.

Colunistas