nsc
    dc

    Relações exteriores

    Governo brasileiro reconhece Jeanine Áñez como presidente da Bolívia 

    Senadora assumiu o cargo na terça-feira, após a renúncia de Evo Morales 

    13/11/2019 - 10h34

    Compartilhe

    Por Agência Brasil
    Jeanine acena da varanda do Palácio de Quemado, em La Paz, depois de se proclamar a nova presidente do país
    Jeanine acena da varanda do Palácio de Quemado, em La Paz, depois de se proclamar a nova presidente do país
    (Foto: )

    O governo brasileiro reconheceu a senadora Jeanine Áñez como nova presidente da Bolívia. Em publicação no Twitter, o Ministério das Relações Exteriores saudou a determinação de Jeanine em trabalhar pela realização de novas eleições e diz que quer aprofundar a "fraterna amizade" entre os dois países.

    "O governo brasileiro congratula a senadora Jeanine Áñez por assumir constitucionalmente a Presidência da Bolívia e saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais. O Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade com a Bolívia", diz a publicação.

    A senadora do partido oposicionista Unidad Demócrata declarou-se presidente da Bolívia na terça-feira (12), embora a bancada do MAS, partido liderado pelo ex-presidente Evo Morales, não estivesse presente no Congresso.

    Jeanine anunciou que decidiu "assumir imediatamente" a presidência da Bolívia depois de considerar que no país havia uma situação de vacância, devido à renúncia do ex-chefe de Estado, Evo Morales, e do vice-presidente Álvaro García Linera.

    Também renunciaram aos cargos os presidentes do Senado e da Câmara e o primeiro vice-presidente do Senado. Como segunda vice-presidente da Casa, ela era a primeira na linha sucessória.

    Bolívia em crise: catarinense que vive no país relata conflitos violentos

    Asilo político

    Morales chegou na terça ao México, país que lhe concedeu asilo político por considerar que a "vida e a integridade" do ex-presidente correm risco na Bolívia, conforme o chanceler mexicano Marcelo Ebrard.

    A renúncia do ex-presidente veio na esteira de dúvidas quanto à legitimidade das eleições. No domingo (10), Morales chegou a anunciar novas eleições. Sem conseguir aplacar a ira da oposição e das milícias organizadas por líderes regionais, durante o dia, ele enfrentou uma avalanche de renúncias de altos integrantes do governo, e acabou renunciando após ser pressionado por militares e policiais.

    Leia outras notícias internacionais no NSC Total

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas