nsc
dc

Tensão

Guedes ouve crítica sobre privatização da Petrobras, se irrita e vai embora

Jornalistas que estavam ali tentaram fazer perguntas ao ministro, mas não foram respondidos

12/05/2022 - 15h00

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Guedes levantou a voz
Guedes levantou a voz
(Foto: )

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se irritou com críticas à privatização da Petrobras durante um pronunciamento à imprensa nesta quinta-feira (12) e deixou o local sem responder perguntas.

Receba notícias do DC via Telegram

Ele deu uma breve declaração a jornalistas após se encontrar com o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, e receber um pedido para iniciar estudos de desestatização da petroleira.

Ao fundo, era possível ouvir um grupo protestando, "vocês vão destruir o patrimônio do povo brasileiro". Não foi possível identificar quem disse isso.

Guedes levantou a voz. 

— Eu queria que todos soubessem que sempre respeitamos, estamos numa democracia, respeitamos os vencedores de eleições. Não quero falar de quem roubou a Petrobras, assaltou a Petrobras durante anos, roubaram, foram condenados, não quero falar isso — afirmou.

— Quero simplesmente receber um programa de governo que teve 60 milhões de votos, receber um pedido do novo ministro de Minas e Energia e encaminhar o processo —continuou.

Ele, então, encerrou o pronunciamento. Ao ouvir novas críticas, ele disse: 

— Nós vamos devolver ao povo brasileiro o que é deles, está certo? — e deixou o local.

Os jornalistas que estavam ali tentaram fazer perguntas ao ministro, mas não foram respondidos.

Antes, Guedes disse que o pedido de Sachsida será encaminhado à secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) ainda hoje.

O UOL entrou em contato com o Ministério da Economia sobre o ocorrido. Caso haja resposta, este texto será atualizado.

Leia também

O que Bolsonaro pode fazer para frear alta dos combustíveis e dos alimentos

TSE aponta erros de militares e rejeita novas propostas para eleições​​

Planalto diz ao STF que indulto de Bolsonaro a Daniel Silveira não pode ser revisto

Colunistas