nsc
    dc

    Pandemia

    Hospitais e secretarias de saúde debatem ocupação de leitos e falta de medicamentos em Florianópolis

    Reunião foi convocada para alinhar comunicação entre os setores da saúde em meio ao crescimento dos casos confirmados na Capital

    29/06/2020 - 19h36 - Atualizada em: 29/06/2020 - 21h50

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Mateus
    Por Mateus Boaventura
    Paes Junior e André Motta
    Presidente da ACM, Ademar Paes Júnior, e o Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro
    (Foto: )

    Diretores de hospitais na Grande Florianópolis e secretários de Saúde se reuniram em Florianópolis nesta segunda-feira (29), na sede da Associação Catarinense de Medicina (ACM) para debater o momento do combate à pandemia do coronavírus na região. A pauta abordou a taxa de ocupação dos leitos de UTI, a falta de medicamentos e problemas na comunicação entre os hospitais.

    > Florianópolis autoriza reabertura de shoppings e academias com protocolo de segurança

    A reunião foi convocada após a notícia de que Florianópolis havia batido 85% de ocupação dos leitos de UTI, um número preocupante para o momento da pandemia no Estado. Houve a cobrança para que mais leitos fossem ativados pelo governo federal, e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) trouxe a promessa do Ministério da Saúde de entregar mais 122 leitos na próxima semana.

    - Desde o início Santa Catarina foi pouco contmeplada com recursos materiais de equpamentos de UTI, respiradores, o chamado "kit UTI" do Ministério da Saúde. E a gente tem discutido a grande necessidade de habilitação dos leitos de terapia intensiva. Se comparamos com o resto do Brasil, estamos bem, temos no momento 418 novos leitos habilitados e mais 122 por promessado ministério, e assim chegaríamos a 540 novos leitos. Nós entendemos a gravidade do momento, nosso cenário epidemiológico mudou, infelizmente de uma forma mais abrupta do que gostaríamos - avaliou o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro.

    O secretário admitiu também a existência de problemas no fornecimento de medicamentos, como sedativos para pacientes internados, e afirmou que o Estado busca oportunidades de parcerias com empresas privadas para recompor os estoques.

    - Há uma defasagem no mundo inteiro, no Brasil inteiro, e Santa Catarina não é diferente, apesar de estarmos mais preparados. Estamos tentando de diversas formas fazer a recomposição desses estoques de medicamentos para passar o período de inverno de uma forma menos complicada - disse Ribeiro.

    Para o presidente da ACM, Ademar Paes Júnior, o objetivo da reunião foi aproximar a relação entre os hospitais e melhorar o canal de comunicação. Ficou alinhada a criação de um grupo entre os diretores dos hospitais com os responsáveis pelos órgãos de saúde para, segundo os presentes, tornar a comunicação mais efetiva.

    - Como conseguimos adiar o pico da pandemia para frente, coincidiu que temos o pico junto de outras doenças no inverno. É importante nesse período, sabendo da tendência de mais casos graves, prevenir problemas de falta de leitos e falta de medicamentos. Por isso é positivo aproximar os responsáveis e estreitar contatos - disse Paes Júnior.

    > Empresa de SC desenvolve tecido pulmonar para testar medicamentos contra coronavírus

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas