nsc
santa

Susto 

Investigação: Anac proíbe voos de helicóptero flagrado sob ponte de Rio do Sul 

Manobra arriscada foi presenciada por voluntários que limpavam o Rio Itajaí-Açu neste sábado 

17/05/2020 - 16h33 - Atualizada em: 17/05/2020 - 17h50

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
A aeronave passou embaixo da ponte conhecida como Elevado José Thomé, no Parque Municipal Harry Hobus
A aeronave passou embaixo da ponte conhecida como Elevado José Thomé, no Parque Municipal Harry Hobus
(Foto: )

O proprietário do helicóptero que passou embaixo da ponte conhecida como Elevado José Thomé, em Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, foi notificado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A instituição abriu investigação para apurar o ocorrido e, enquanto o processo não termina, a aeronave não pode ser utilizada.

A manobra perigosa assustou voluntários que participavam da limpeza do Rio Itajaí-Açu, no Parque Municipal Harry Hobus, neste sábado (16). No local não havia qualquer preparação para um tipo de sobrevoo como esse, como apoio em terra de equipe de socorro, por exemplo.

Após um vídeo gravado pelos voluntários circular pelas redes sociais e a situação chegar ao conhecimento da Anac, a Agência instaurou um processo de investigação já no sábado. Com isso, o helicóptero foi interditado e só será liberado após uma conclusão dos fiscais. Não há prazo para a finalização das apurações. A Anac diz que só será possível afirmar se havia autorização para a manobra após investigação.

> Quer receber notícias como essa de Blumenau e do Vale no WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

“Com a apuração, quando identificado piloto e aeronave, e se ficarem comprovadas irregularidades às normas de aviação civil, a Anac aplica as medidas cabíveis”, afirmou, em nota.

À colunista Dagmara Spautz o tenente-coronel Losso contou que passar embaixo de pontes é proibido – exceto em manobras especiais de pilotos acrobáticos, autorizadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Losso é piloto, já comandou as equipes do helicóptero Arcanjo no Estado, e hoje é comandante do 1° Batalhão de Bombeiro Militar, em Florianópolis.

— Não é nenhuma operação de resgate, o rio está tão baixo que tem Jeeps embaixo da ponte. Mesmo que fosse uma vistoria, ela seria feita de barco, e não de helicóptero. Provavelmente é uma manobra exibicionista, que não tem autorização — explicou.

Colunistas