nsc
an

Pandemia

Joinville projeta saída do risco gravíssimo para Covid e estabilidade em agosto

Casos ativos e ocupação de leitos são os desafios para região recuar ao nível grave

27/07/2021 - 06h00

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Movimento no Centro de Joinville
Casos ativos são um dos fatores que contribuem para a região estão no risco gravíssimo
(Foto: )

Joinville projeta sair do risco gravíssimo e se estabilizar em um novo patamar na matriz para o coronavírus a partir de agosto. Segundo o secretário municipal da saúde, Jean Rodrigues da Silva, a perspectiva é de que a queda para o nível grave seja consistente.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O Nordeste de SC, do qual faz parte Joinville, apareceu em risco gravíssimo na atualização mais recente do mapa de risco. Os dois principais índices que colaboraram para o resultado foram o número de casos ativos e a alta ocupação dos leitos hospitalares.

- O número de casos ativos já começou a baixar e isso reflete em queda na ocupação nos leitos de internação, que reflete também nos leitos de UTI. A perspectiva é de que na segunda semana de agosto a gente tenha uma queda consistente - explica Rodrigues.

> Novo mapa do coronavírus em SC coloca o azul no fim do túnel

A preocupação em ser uma queda permanente acontece porque a região já teve outros recuos para o nível grave ao longo de junho e julho. Porém, na semana seguinte voltou ao risco gravíssimo devido ao agravamento dos indicadores.

Um dos problemas enfrentados pelo município tem relação com os leitos hospitalares. O número de internados por Covid reduziu, mas o percentual de ocupação continua alto. Isso porque alguns leitos que antes eram exclusivos para Covid foram transformados em gerais, para atender pacientes com outras doenças.

> Com queda nas internações por Covid, Joinville “converte” mais leitos para cirurgias

- Nosso maior desafio hoje é atender os outros casos de saúde. Não sei como Florianópolis está fazendo a mágica de deixar 72 leitos desocupados, com a população precisando de cirurgia. Aqui vão desocupando os leitos de Covid e vou convertendo para geral - comenta o secretário.

Rodrigues afirma que está preparando um documento para solicitar explicações ao Estado sobre "a mágica" que os municípios têm feito para deixar leitos sem ocupação. Uma das ponderações do secretário é de que leitos Covid não podem ficar inutilizados, sob o risco de serem descredenciados, de acordo com as regras do Ministério da Saúde.

Leia também:

Joinville vai procurar ausentes na segunda dose também por mensagens de celular

SC atinge a menor taxa de ocupação de leitos de UTI SUS desde fevereiro

Estado promete compensar atraso no calendário de vacinação contra Covid em SC: "será cumprido"

Colunistas