nsc
dc

Repercussão nacional

Justiça mantém absolvição de empresário no caso Mariana Ferrer

Desembargadores julgaram recurso da defesa contra a decisão que absolveu o empresário em primeira instância

07/10/2021 - 13h48 - Atualizada em: 07/10/2021 - 14h52

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Tribunal de Justiça de Santa Catarina
(Foto: )

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve a absolvição do empresário André Camargo Aranha, 44 anos, acusado de ser o autor do estupro da influencer Mariana Ferrer. A audiência aconteceu nesta quinta-feira (7), em Florianópolis. O empresário já havia sido absolvido em primeira instância, em setembro de 2020. A informação foi publicada pela colunista da Folha de S. Paulo Mônica Bergamo.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O pedido de recurso da defesa contra a decisão que absolveu o empresário foi negado pelos desembargadores por três votos a zero. A justificativa dos magistrados para manter a absolvição foi a falta de provas. No primeiro julgamento, o Tribunal de Justiça do Estado concluiu que não havia provas contundentes para sustentar a acusação.

O processo corre em segredo de Justiça. A defesa de Ferrer pode recorrer da decisão mais uma vez, em Brasília, no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF).

O caso Mari Ferrer

A influenciadora digital Mariana Ferrer acusa André de Camargo Aranha de tê-la estuprado em dezembro de 2018, num camarim privado, de um beach club em Jurerê Internacional, em Florianópolis. Ela tinha 21 anos na época. O empresário foi acusado pelo crime, mas absolvido em setembro deste ano. 

> Procurador Geral de Justiça de SC pede a Bolsonaro mudança na lei para proteger vítimas de estupro

> Caso Mariana Ferrer: mulheres pedem Justiça em manifestações por SC

Imagens do dia do crime, recuperadas pela polícia, mostram Mariana na companhia do empresário. Ela suspeita que tenha sido drogada e, por isso, não sabe exatamente o que aconteceu. A perícia encontrou sêmen de Aranha e sangue dela nas roupas recolhidas. O exame toxicológico não constatou álcool ou drogas na influenciadora.

O inquérito policial concluiu que o empresário havia cometido estupro de vulnerável e o Ministério Público denunciou Aranha à Justiça.​ No julgamento em primeira instância, o juiz da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, Rudson Marcos, absolveu o réu. Ele afirmou na sentença que "diante disso, não há provas contundentes nos autos a corroborar a versão acusatória, a não ser a palavra da vítima".

> Advogado que desqualifica vítima é “absurdo que o sistema não deve tolerar”, diz procurador Geral

O vídeo dessa audiência gerou revolta. O advogado de defesa, Cláudio Gastão da Rosa Filho, exibiu fotos sensuais feitas por Mariana Ferrer quando era modelo profissional, definindo-as como "ginecológicas". Ele ainda disse que "jamais teria uma filha" do "nível" de Mariana e, quando ela começou a chorar, ele reagiu: "Não adianta vir com esse teu choro dissimulado, falso e essa lábia de crocodilo".

Esse episódio motivou um projeto de lei, com o nome de Mariana Ferrer, que trata sobre a punição para quem constranger vítimas e testemunhas de crimes durante audiências e julgamentos.

​Leia também

Praia de BC pode ter Show das Águas inspirado em Dubai

Homem atira gasolina em atendentes do Procon

Atraso em obras leva alunos a galpão: "Difícil de aprender"

Colunistas