nsc
santa

Opinião

Lauro Bacca: Fritz Müller merece um roteiro turístico pelos caminhos que percorreu em SC

Em artigo publicado no Santa, ambientalista defende implantação de uma rota turística que relembre os trajetos do famoso naturalista

20/08/2021 - 20h32

Compartilhe

Redação
Por Redação Santa
Estátua de Fritz Müller em Blumenau.
Estátua de Fritz Müller em Blumenau.
(Foto: )

Entre as personalidades que devem figurar na memória histórica e cultural do Estado, por tudo o que foi e fez, o naturalista Fritz Müller merece um dos mais altos destaques.

Nascido no vilarejo alemão com o quase impronunciável nome de Windischholzhausen, próximo à cidade de Erfurt, Fritz Müller emigrou para o Santa Catarina com sólida bagagem científica e intelectual adquirida naquele país e se instalou na incipiente Colônia do Dr. Blumenau em 1852.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Saiba como

Naturalizou-se brasileiro e residiu 11 anos em Desterro, atual Floranópolis, onde seus estudos sobre o desenvolvimento larvar de camarões resultaram numa das maiores contribuições à compreensão e consolidação da teoria da Evolução, como assim reconheceu o próprio autor da teoria, o inglês Charles Darwin.

Voltou a Blumenau onde residiu até sua morte em 1897, deixando um legado científico que o fez ser reconhecido como o maior naturalista do Brasil, um “mestre inigualável das interações ecológicas”, pioneiro da Biologia Marinha, “o maior estudioso da mata atlântica brasileira até hoje imbatível no Brasil”, pioneiro no uso de modelos matemáticos em estudos biológicos, descritor do mimetismo mülleriano, assim chamado em sua homenagem e muito mais, tudo publicado em mais de 260 trabalhos científicos nos mais conceituados jornais e revistas científicas da época.

> Leia também: Parque Nacional de São Joaquim pode ser mais rentável que o carvão

> E mais: Gangues de caçadores assassinos em SC devem ser punidas com rigor pela Justiça

O mais interessante é que Fritz Müller pouco viajava a cavalo, de barco ou carroça, como poderia fazer na época. Preferia ir a pé, pois, segundo ele, era a melhor forma de estar sempre atento a detalhes da natureza.

Foi assim, a pé, descalço e cajado à mão, que esse herói da Ciência viajou várias vezes, ida e volta de Blumenau para Itajaí e Desterro ou para fazer descobertas em praias como Armação da Piedade, no atual município de Governador Celso Ramos, além de roteiros dentro da própria Ilha de SC. entre tantos outros destinos.

Em certa ocasião Fritz Müller caminhou de Blumenau, via litoral, até a Serra da Boa Vista, atual divisa dos municípios de Rancho Queimado e Alfredo Wagner, onde conheceu pela primeira vez as matas com araucária.

> Quem é Fritz Müller?

Da mesma forma, por duas ocasiões, acompanhou o engenheiro Emílio Odebrecht nas incursões topográficas que estabeleciam o caminho da Colônia Blumenau até o Planalto serrano de Curitibanos. Também a pé foi pesquisar em Joinville e São Bento do Sul.

Roteiros e caminhos temáticos são uma modalidade de turismo em franco crescimento. 

No Rio de Janeiro existem “Os caminhos de Charles Darwin” e em Goiás “Os Caminhos de Cora Coralina”. Os “Caminhos de Fritz Müller” são uma das promissoras propostas de um grupo de abnegados de Blumenau, Floranópolis e outras cidades, que preparam o bicentenário de nascimento de Fritz Müller a acontecer no próximo ano de 2022 que tem tudo para se concretizar em exitosa diversificação de atração turística, histórica e cultural que só Santa Catarina tem.

O que estamos esperando para implantá-los?

Leia também

Como será a troca de cartas em Frtiz Müller e Charles Darwin nos tempos atuais? Clique aqui e confira uma reportagem especial

Colunistas