nsc
dc

Vacina à vista

Lote com 120 mil doses da vacina CoronaVac chega ao Brasil

As doses fazem parte de um lote de 6 milhões que está previsto para chegar até o final de dezembro

19/11/2020 - 08h24 - Atualizada em: 19/11/2020 - 09h15

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
O material é desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac Biotech
O material é desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac Biotech
(Foto: )

O primeiro lote com 120 mil doses da vacina CoronaVac chegou ao Brasil nesta quinta-feira (19). O material é desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan de São Paulo. As doses fazem parte de um lote de 6 milhões encomendado pelo governo, que está previsto para chegar até o final de dezembro.  

> Veja o mapa do vírus em Santa Catarina

O governador João Doria (PSDB), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchtey, acompanharam a chegada do lote a São Paulo. 

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

A CoronaVac é uma das vacinas contra o coronavírus que estão sendo testadas no Brasil. Essa candidata está na fase três de testes, quando milhares de voluntários pelo mundo são vacinados para testar a eficácia e possíveis efeitos colaterais. Depois de concluídos os estudos da fase 3, a vacina precisa passar pela avaliação das agências regulatórias de cada país. No Brasil, a Anvisa é o órgão responsável. Só então, ela poderá ser liberada para ser aplicada na população. 

Eficácia da CoronaVac 

Nesta terça-feira (17) a Sinovac divulgou os resultados os ensaios clínicos da fase 1 e 2 conduzidos na China nos meses de abril e maio com 744 voluntários saudáveis de 18 a 59 anos e sem histórico de infecção pelo coronavírus. Segundo dados da pesquisa, a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos

Uma boa notícia é que a vacina induziu à produção de anticorpos neutralizantes, que impedem a entrada do vírus nas células, sugerindo que a vacina pode ser eficaz em impedir a infecção e não apenas o desenvolvimento da doença. Apesar dos resultados serem promissores, os estudos das fase 3 de testes ainda não foram concluídos.

*Com informações de G1 e Folhapress

Colunistas