O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) bateu o martelo definindo que o atual Ministério da Economia será desmembrado em três pastas, sendo uma delas a da Fazenda, a outra o Ministério do Planejamento e a terceira o Ministério da Indústria e Comércio e Serviços.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A confirmação foi divulgada durante entrevista nesta quarta-feira (7) pelo coordenador de grupos técnicos do gabinete de transição, o ex-ministro Aloizio Mercadante, ao lado de integrantes do GT de Indústria, Comércio e Serviços.

Mercadante ainda afirmou que o presidente eleito também definiu que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e a agência de promoção de exportações, a Apex, ficarão na alçada do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços, que será recriado.

Os integrantes desse grupo técnico também afirmaram que vão buscar formas de aumentar o chamado funding -os recursos para empréstimos do BNDES-, sem a ajuda de recursos públicos. Também defenderam uma reforma da TLP (Taxa de Longo Prazo), apontada como ineficiente, para viabilizar investimentos no Brasil.

Continua depois da publicidade

Integrantes do grupo técnico de Indústria, Comércio e Serviços do gabinete de transição concederam entrevista a jornalistas, na tarde desta quarta-feira (7).

Santa Catarina bate recorde de exportações em 2022

Mercadante adiantou que o futuro governo já definiu a recriação das três pastas, mas acrescentou que ainda há discussão em relação à abrangência delas. Estaria em estudo uma redefinição do que seria o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Pode haver transferência das responsabilidades sobre planejamento a longo prazo para o MDIC, deixando o ministério do Planejamento apenas com as questões mais momentâneas de orçamento, como a gestão de pessoas e questões orçamentárias anuais.

Esse modelo criaria um Ministério da Indústria, Comércio e Serviços extremamente fortalecido e que já está sendo cobiçado por vários atores importantes no gabinete de transição. Chegou-se a cogitar o nome do vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), no início dos trabalhos da transição.

Continua depois da publicidade

Censo em SC alcança 86% da população, mas vê aumento na recusa em responder à pesquisa

Outro cotado é o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), que integra o grupo técnico da área. Rigotto foi coordenador do plano de governo da emedebista Simone Tebet nas eleições presidenciais, candidata que depois apoiou Lula no segundo turno.

O grupo técnico também informou que era uma solicitação e recomendação de seus membros ao futuro governo que a Apex e o BNDES integrassem esse ministério, que deixou de existir durante a gestão de Jair Bolsonaro (PL). Na sequência, no entanto, Mercadante afirmou que Lula já havia decidido sobre a questão.

— O presidente deixou muito claro e os que tentaram argumentar em outra direção não passaram da preliminar com ele. A Apex e o BNDES estarão no novo Ministério de Desenvolvimento. Isso é uma determinação do presidente. Ele acompanhou o papel que a Apex teve de abrir e ampliar mercado de produtos brasileiros no passado. E ele acha que precisa de uma política ofensiva de comércio exterior e que não se confunde com o papel imprescindível do Itamaraty na Diplomacia. Mas precisa ter foco e ter ousadia e tratar da promoção de produtos brasileiros — afirmou Mercadante.

PEC da Transição será analisada nesta quarta no Senado; saiba como votará bancada de SC

O controle da Apex é alvo de disputa nos últimos anos, entre o Ministério das Relações Exteriores e a área econômica. Os diplomatas argumentam que os trabalhos de promoção da exportação são complementares com as atividades diplomáticas, por isso defendem a unidade. Por outro lado, há o argumento de que a promoção das exportações está mais relacionada com as políticas de industrialização, por isso a agência deve estar atrelada à área econômica.

Continua depois da publicidade

Em relação ao BNDES, Mercadante defendeu que ele precisa voltar a atuar fortemente no processo de reindustrialização brasileiro. O ex-ministro e um dos homens fortes do gabinete de transição criticou que atualmente o banco empresta mais recursos para a agricultura, em torno de 25% dos empréstimos, do que para a indústria, em torno de 19%.

— São duas determinações muito claras do presidente Lula — concluiu o ex-ministro a respeito da posição.

Reforma da TLP e futuro do BNDES

O grupo técnico também defendeu a reforma da TLP, para alavancar os investimentos no Brasil. A taxa é a estabelecida para operações do BNDES. Uma das propostas avaliada é a criação de um “cardápio” de taxas, dependendo do prazo dos empréstimos.

Governo Bolsonaro diz que Castillo, presidente destituído do Peru, violou democracia

— O que está em estudo é que, primeiro, como ela é, ela é ineficiente. Como está estabelecida, ela não tem nenhuma efetividade do ponto de vista de financiamento do investimento no Brasil. Portanto, ela tem que ser reformada — afirmou o economista Mauro Borges Lemos, ex-ministro e um dos coordenadores do grupo técnico.

Continua depois da publicidade

— A TLP é rígida. Ela não só é muito alta, como ela é, como ela não é flexível. Então uma ideia que estamos trabalhando é um cardápio de TLPs, em função dos prazos do investimento. É claro que uma taxa de juros de um investimento de cinco anos é completamente diferente de uma taxa de juros para investimentos de 30 anos. O tempo de retorno tem que estar inteiramente relacionado com a taxa de juros que o tomador vai realizar — completou.

*Reportagem de Renato Machado

Leia também

Google anuncia os assuntos que ficaram em alta no Brasil em 2022; veja lista

Richarlison foi o esportista mais buscado pelos brasileiros no Google em 2022

Cristiano Ronaldo se manifesta sobre internação de Pelé: “Nosso Rei tem que melhorar”

Destaques do NSC Total