nsc
an

Resgate

Mais de 250 cobras já foram capturadas em Jaraguá do Sul em 2021

Média é de quase uma serpente por dia resgatada pela Fujama na área urbana

29/10/2021 - 07h07 - Atualizada em: 29/10/2021 - 11h33

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Christian Raboch em captura de cobra neste ano em Jaraguá do Sul
Christian Raboch em captura de cobra neste ano em Jaraguá do Sul
(Foto: )

Mais de 250 cobras já foram capturadas neste ano em Jaraguá do Sul, segundo estimativa da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama). É uma média de quase uma serpente por dia encontrada na área urbana da cidade do Norte de SC.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Segundo o biólogo Christian Raboch, que trabalha no órgão municipal, este é o ano com mais capturas de serpentes no município desde 2007, quando começou o trabalho da Fujama. O número tem crescido e estaria relacionado com o maior conhecimento dos moradores sobre o serviço oferecido pela fundação.

- As pessoas estão tendo mais conhecimento do nosso trabalho e nos procurando mais. Por isso, o número tende a aumentar ainda mais - aponta Cristian.

Uma das explicações para o número expressivo de capturas é a de que a cidade tem mais de 40% do território composto por Mata Atlântica, além de muitos rios. É o ambiente perfeito para a presença de cobras.

Elas costumam aparecer nas casas em busca de alimento e abrigo. Por isso, a orientação do biólogo é manter o jardim e o quintal limpos e sem entulhos para não deixá-los "confortáveis" para as cobras. Outra dica é evitar o máximo a presença de ratos porque as serpentes, principalmente as peçonhentas, são atraídas pela urina dos roedores.  

Maioria das cobras não é peçonhenta

O biólogo da Fujama conta que a maioria das cobras capturadas em Jaraguá do Sul não são peçonhentas. Segundo Raboch, em cada dez serpentes, duas são venenosas e levam perigo aos moradores.

Entre as capturadas, a cobra não peçonhenta mais comum é a conhecida como dormideira, uma espécie que não tem veneno e se alimenta de lesmas e caracóis. Também costumam aparecer cobras cipós e caninanas.

Já entre as venenosas são mais comuns as jararacas e, com menos frequência, a coral e jararacuçu. De acordo com o biólogo da Fujama, a mais perigosa entre elas é a jararaca, cuja espécie é responsável por 90% dos acidentes com serpentes no Brasil.

Moradores devem evitar contato com animal

A dificuldade da captura do animal vai depender de uma série de fatores. Um deles é o local onde se encontra, se é de fácil ou difícil acesso. Outro é o temperamento da serpente, que pode complicar o resgate.

- Às vezes, a serpente pode ter 2 metros, mas está tranquila e fica mais fácil de resgatar. Mas tem vezes em que tentam matar o bicho e ele fica estressado porque vai tentar se defender - conta Cristian.

A orientação é de que o morador mantenha a calma, evite contato com a cobra e prenda cães e gatos, por segurança dos animais domésticos e dos silvestres. Em seguida, peça auxílio dos órgãos municipais responsáveis pelo resgate.

O que fazer ao encontrar uma cobra?

  • Entre em contato com os Bombeiros (193) ou com a Polícia Ambiental da sua cidade (190);
  • Em caso de acidente com serpente, entre em contato com o Samu (192), os Bombeiros (193) ou se dirija ao hospital público mais próximo;
  • Em caso de dúvidas ou orientações sobre procedimentos de primeiros socorros, ligue para o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), pelo telefone: 0800 643 5252.
  • O telefone da Fujama, em Jaraguá do Sul, é (47) 3273-8008, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17 horas.

Leia também:

Morador encontra cobra de 1,5 metro em quarto de ferramentas em Jaraguá do Sul; veja o resgate

Cobra levada a hospital ajuda a salvar criança em Blumenau e serve de alerta​​

Cobra venenosa de quase um metro é flagrada brincando com gato em Ibirama

Cobra aparece dentro de gaveta de cozinha em Timbó e mobiliza bombeiros

Colunistas