nsc
an

Opinião

Mário Sant'Ana: Conectar-se a um propósito é uma necessidade humana

Mário Sant'Ana fala sobre transformação social em artigo escrito para o A Notícia

27/07/2021 - 10h16 - Atualizada em: 27/07/2021 - 10h17

Compartilhe

Redação
Por Redação AN

*Artigo por Mário Sant'Ana

Escrever aqui é uma grande honra. Dividir com os leitores deste portal minhas reflexões, opiniões e aprendizados é uma responsabilidade importante e espero corresponder à confiança depositada em mim. 

A conversa sobre como seria minha participação aqui aconteceu durantes minhas férias em família. No dia seguinte, tive uma experiência marcante. É a partir dela que escrevo o primeiro texto deste espaço.

No Centro Histórico de Paraty-RJ, comprei alguns chaveiros artesanais que Thiago Freitas vende para ajudar no sustento do Centro de Recuperação Getsêmani, onde mora há quatro meses. Antes de se mudar para lá, estava em “situação de rua”, expressão usada para designar a condição da população que utiliza áreas públicas e degradadas como espaço de moradia e de sustento.

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Aos 29 anos, Thiago luta diariamente para que, no futuro, as filhas de nove e cinco anos “se orgulhem do pai”. Para isso, entende que deve recuperar a capacidade de cumprir suas responsabilidades de chefe de família, em uma casa digna e longe das drogas, pelas quais, há alguns anos, trocou seu patrimônio, seu meio de sustento e a própria família. 

Thiago Freitas vende chaveiros artesanais em Paraty
Thiago Freitas vende chaveiros artesanais em Paraty
(Foto: )

Ao chegar ao hotel, liguei para o Centro Pop de Joinville, unidade da Secretaria de Assistência Social que, explica o site da Prefeitura, busca oportunizar às pessoas em situação de rua “a construção de novos projetos de vida”. Perguntei a Márli Quandt, agente administrativa que me atendeu, como fazem isso. “Cada ser humano é um ser humano” — foi a resposta. Ela não foi vaga. Falou com a propriedade de quem conhece bem uma problemática para a qual não existe solução tamanho único. 

Alguns cliques me levaram à página da Casa de Passagem Vó Joaquina, uma organização de Joinville que, há muitos anos, acolhe pessoas em estado de rua e lhes oferece caminhos para uma vida melhor. Liguei para lá. Fui atendido por Kobarodê Junior, Chefe do Monitoramento da instituição. Explicou-me o abnegado trabalho que realizam. Sua fala praticamente foi um eco do que dissera Márli: “Não dá para pensar em termos de população, pois cada um tem sua história. Nem todos foram parar nas ruas por causa de drogas e álcool. Muitos só passaram a consumir essas substâncias depois de se encontrarem em situação de rua.”

Kobarodê contou que ofereceu ao Baiano, um lavador de carros que “não fuma nem bebe” o dinheiro para voltar para sua família. O homem que é atendido na Casa da Vó Joaquina recusou a doação, pois faz questão de trabalhar para ganhar o dinheiro.

“É preciso conhecer as pessoas. É posssível encontrar em situação de rua gente qualificada, engenheiros, professores, advogados, etc.” — garante Kabarodê. 

Anne Caroline Barbosa (@annecatadora) é uma confirmação disso. Formada em Design Gráfico, acabou nas ruas e viciada em drogas, mas deu a volta por cima. A exemplo do que fez o vendedor de chaveiros, ela e o marido, Lucas, deixaram o vício por amor à filha, Mellissa.

Ao Poder Público cabe identificar e promover as mudanças nas estruturas que respondem pela natureza crônica dos problemas socioeconômicos, como os personificados naqueles que estão em situação de rua. 

É preciso tornar a recuperação possível e incentivar a mudança. Contudo, não se deve tentar fazer o que as pessoas precisam fazer por elas mesmas.

Organizações como Centro de Recuperação Getsêmani, a Casa de Passagem Vó Joaquina e o Pimp my Carroça (movimento que busca impactar positivamente no reconhecimento e remuneração justa dos catadores e catadoras de materiais recicláveis) têm grande utilidade para as pessoas que buscam construir histórias de superação e um futuro promissor. Ajudam a conectar de forma produtiva necessidades a recursos e geram uma energia engajadora na sociedade.  

É necessário, contudo, que os que querem contribuir para a redução das mazelas da sociedade combinem seus esforços para, principalmente, despertar e alimentar naqueles que querem ajuda o senso de responsabilidade que hoje alavanca as conquistas de Thiago, Baiano, Anne, Lucas e muitos outros. O aprendizado deste processo é insubstituível para a conexão de cada um com um propósito pessoal.

Propósito não é um acessório disponível somente para alguns, mas uma necessidade de todos os indivíduos. Viver à altura de seu propósito é uma responsabilidade de cada um com a sociedade hoje e com as próximas gerações.

*Mário Sant’Ana é tradudor e intérprete, cofundador do Projeto Resgate, organização com ações para reduzir contrastes sociais, e co-idealizador do programa Think Tanks Projeto Resgate, para o desenvolvimento de habilidades de inovação intersetorial, soft skills e liderança não hierárquica. Escreve artigos para o A Notícia às terças-feiras.

Mário Sant'Ana escreve no AN às terças
Mário Sant'Ana escreve no AN às terças
(Foto: )

Leia também

Artigo: "Afastemos de vez o mito de que as mulheres são concorrentes"

Colunistas