O recém-eleito presidente da Argentina Javier Milei assinou 13 decretos no primeiro dia de seu mandato, neste domingo (10). Um dos decretos derrubou a regra que impedia que parentes de membros eleitos fossem indicados para trabalhar na máquina pública. Com isso, Milei então indicou a irmã, Karina, como primeira-dama e secretária-geral do governo. As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Com esses cargos, Karina Milei será responsável por atividades sociais e diplomáticas, ajudará o presidente em políticas públicas, preparação de comunicados, participação em tarefas cerimoniais e protocolares, além de gestão das relações com o público.

Além disso, Milei reduziu de 18 para 9 o número de ministérios do governo, e empossou os ministros da Casa Civil, do Interior, das Relações Exteriores, da Defesa, da Economia, da Segurança, da Saúde, da Justiça, Infraestrutura e Capital Humano.

O Ministério da Casa Civil, atribuído a Nicolás Posse, será responsável pela gestão dos demais ministérios, além da função de gerenciar as empresas estatais argentinas. Segundo o jornal argentino “La Nación”, os ministérios serão divididos da seguinte maneira:

Continua depois da publicidade

  • O que era o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação passará para o chefe da Casa Civil, assim como a Secretaria de Assuntos Estratégicos.
  • O antigo Ministério do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do Turismo e Esporte será agora integrado pelo Ministério do Interior.
  • Os já extintos Transportes, Obras Públicas e Habitat e Desenvolvimento Territorial serão secretarias do Ministério da Infraestrutura.
  • Capital Humano será responsável pelas pastas de Seguridade Social, Educação, Cultura, Trabalho e o Ministério da Mulher, Gênero e Diversidade.

*Sob supervisão de Andréa da Luz

Leia também

Como eleição de Milei impacta relação de Santa Catarina com a Argentina

Milei toma posse, fala “não há dinheiro” e cita reajuste fiscal em discurso

Destaques do NSC Total