O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, esteve nesta semana com a trabalhadora que foi resgatada em condições análogas à escravidão na residência do desembargador catarinense Jorge Borba, em Florianópolis. A mulher tem “dificuldades de comunicação básica”, conforme o Ministério Público do Trabalho, mas tem apresentado boa capacidade de expressão quando exposta a estímulos visuais. Ela foi encontrada na residência do desembargador em junho e, desde então, está acolhida em um abrigo da Capital.

Continua depois da publicidade

Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Com agenda em Florianópolis, o ministro inteirou-se dos processos de inclusão social, comunitária e educacional aos quais a mulher resgatada tem se integrado. Na ocasião, a presidente da Associação de Surdos da Grande Florianópolis, Sandra Lúcia Amorim, relatou que a trabalhadora tem participado ativamente de diversas aulas, incluindo dança, ginástica e Libras. Além disso, foi destacado também que ela demonstrou ter boa memória e desenvolveu vínculos positivos com os colegas.

O processo de reabilitação dela está concentrado, conforme a associação, no ensino de sinais de cumprimentos, para auxiliá-la a se comunicar de forma mais afetiva e, assim, desenvolver maior autonomia e interação social, já que, de acordo com Sandra, ela ainda não possui conhecimento de comunicação básica e não consegue se autonomear ou nomear outras pessoas do vínculo diário.

— O principal foco na continuidade do processo educativo é iniciar o ensino dos sinais, pois ela tem dificuldades de comunicação básica como pedir para ir ao banheiro ou sinalizar que está com fome — informou.

Continua depois da publicidade

Relembre o caso

Uma operação da Polícia Federal contra o desembargador para apurar a suspeita de que ele mantinha a empregada em condição de escravidão foi deflagrada em maio. Na ocasião, foi identificado que uma das empregadas, uma pessoa surda e muda, trabalhava sem registro de carteira assinada e não recebia salário ou qualquer vantagem trabalhista há ao menos 20 anos.

Conforme o Ministério Público do Trabalho, a investigação apontava também que ela era vítima de maus-tratos e nunca teve instrução formal, além de não possuir convívio social resguardado.

Leia também

Mortes por policiais militares duplicam em SC nos primeiros seis meses de 2023

Fim das carroças em SC? Projeto quer proibir veículos de tração animal e prevê multa salgada

Destaques do NSC Total