Uma profissional que torna a vida das pessoas dentro das próprias casas mais prática e organizada. Essa é a missão de Giani Carolina da Silva, personal organizer que atua há mais de cinco anos em Blumenau. Ela trabalha com os ricos da cidade, já que contratar um serviço como esse não é para qualquer bolso: dependendo do projeto, as cifras chegam aos cinco dígitos.

Continua depois da publicidade

Inscreva-se e receba notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp

Na prática, Giani recebe para pensar em maneiras de otimizar o dia a dia de quem a contrata. Ou seja, qual lugar colocar determinada roupa no armário, que dobradura adotar, como deve ser a organização da rotina e o caminho para solucionar os pequenos — ou grandes — percalços do cotidiano no lar. A equipe dela também faz toda a mudança quando o cliente decide trocar de casa, desde encaixotar os objetos até colocá-los, de maneira inteligente, nos novos locais.

Para chegar onde está, a catarinense percorreu uma longa estrada. Vinda de uma família simples de Pouso Redondo, no Alto Vale, desde muito cedo Giani sabia que queria empreender. Começou aos 18 anos, com muita vontade, mas pouco dinheiro. Trabalhou com vendas de viagens, abriu um mercado e até padaria, porém teve de lidar com a falência. Foram tempos tão difíceis financeiramente que precisou da ajuda da mãe para poder sustentar o primeiro dos dois filhos.

Continua depois da publicidade

“Do fundo do poço”, a mulher decidiu se reinventar. Ela, que nunca foi uma pessoa muito ligada a questões domésticas, aprendeu uma nova habilidade. Evoluiu tanto que desenvolveu o próprio método, que envolve desde soluções personalizadas à marcenaria inteligente. Atualmente, além de atender os clientes, dá cursos para formar outras personal organizers.

— A gente torna a vida das pessoas mais dinâmica, funcional, para que possam ter mais tempo para usar no que é prioridade para elas. Depois do projeto executado há o treinamento dos funcionários para que eles mantenham as mudanças — explica Giani.

Em Blumenau e região, o perfil da maioria de quem a contrata é semelhante: são empresários, casados e com até três filhos, que passam o dia fora e que querem tornar o imóvel um refúgio para os momentos de descanso. Para isso, contam com profissionais como Giani, que cobram por hora ou pacotes de serviços.

Em média, uma diária com uma personal organizer custa R$ 500. Já os projetos, que variam de acordo com o tamanho da casa e a necessidade dos moradores, ficam na casa dos milhares de reais.

Continua depois da publicidade

Quem são os 10 catarinenses mais ricos, segundo a Forbes

Leia mais

Casarão de Blumenau construído durante a Segunda Guerra deve ser demolido

Destaques do NSC Total