nsc
dc

MILÍCIAS DIGITAIS

Ex-deputado Roberto Jefferson é preso pela Polícia Federal

Pedido da prisão do ex-parlamentar e hoje bolsonarista foi feito pela PF e determinado pelo ministro do STF Alexandre Moraes

13/08/2021 - 07h32 - Atualizada em: 13/08/2021 - 08h25

Compartilhe

Maria Eduarda
Por Maria Eduarda Dalponte
Roberto Jefferson se transformou uma das vozes do bolsonarismo nos últimos meses.
Roberto Jefferson se transformou uma das vozes do bolsonarismo nos últimos meses.
(Foto: )

O ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) foi preso preventivamente por participar de suposta milícia digital responsável por compartilhar e defender ataques à democracia e às instituições. A determinação da prisão veio do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. O político foi encontrado em casa.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O pedido para que ele fosse preso partiu da Polícia Federal. No primeiro momento, ele não foi encontrado no endereço indicado na investigação. Em uma conta nas redes sociais, o ex-deputado disse que a Polícia Federal foi na casa da ex-mulher dele. "Vamos ver de onde parte essa canalhice", escreveu o político.

A determinação de Moraes também pediu o bloqueio de conteúdos postados por Jefferson em rede sociais e a apreensão de armas e acesso a mídias de armazenamento.

O mandado de prisão faz parte da investigação do inquérito que apura uma organização criminosa digital. Depois do arquivamento do inquérito dos atos antidemocráticos pelo STF a pedido da Procuradoria-Geral da República, em julho, o ministro Moraes abriu um segundo inquérito.

> Voto impresso: veja como funciona e entenda a polêmica

Esta não é a primeira prisão do ex-deputado. Roberto Jefferson já foi preso depois de sua condenação de 7 anos no escândalo do Mensalão. O político agora é aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e frequentemente ataca os ministros do Supremo pelas redes sociais.

Na terça-feira (10), um novo vídeo foi divulgado. Jefferson fazia ameaças ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. O ex-deputado disse que não haverá eleição no próximo ano caso o voto impresso não seja utilizado.

Colunistas