nsc
    santa

    Pandemia

    Mortes e internações por Covid-19 crescem em Blumenau e especialistas atribuem cenário à nova variante

    Infectologistas analisam situação na cidade e falam sobre mudança no perfil dos pacientes

    05/04/2021 - 12h04 - Atualizada em: 05/04/2021 - 12h05

    Compartilhe

    Bianca
    Por Bianca Bertoli
    No feriado de Páscoa a cidade registrou o maior número de blumenauenses internados em estado grave devido à doença
    No feriado de Páscoa a cidade registrou o maior número de blumenauenses internados em estado grave devido à doença
    (Foto: )

    A nova variante do coronavírus pode ser a explicação de Blumenau viver um momento contrastante da pandemia. Enquanto a média de casos novos diários está em 112,6, o menor número desde o final de janeiro, a quantidade de pessoas que morrem por dia e de moradores internados em UTIs tem sido cada vez maior.

    > Receba todas as notícias de Blumenau e região no seu WhatsApp. Clique aqui.

    Depois de enfrentar o pior mês da pandemia até então, neste sábado (3), durante o feriado de Páscoa, a cidade registrou o maior número de blumenauenses internados em estado grave devido à doença: 69. Neste domingo (4), eram 68. Todos com o diagnóstico da contaminação. Há três semanas a quantidade de moradores hospitalizados em UTIs com suspeita ou certeza da presença do vírus supera a casa dos 60.

    Para complementar o pior patamar, o percentual dos que não sobrevivem às complicações está em elevação (0,86%). Nos últimos sete dias a média de mortes é de quatro pessoas por dia, o pior índice da pandemia, igualando-se a meados de agosto, um dos meses mais críticos.

    Quem está na linha de frente aponta algumas causas para este cenário, entre elas a nova variante, que já circula pelo Estado:

    — No início, quando se descobriu a nova variante, nós sabíamos que ela era mais transmissível, mas agora já sabemos que é (também) mais agressiva. Um perfil que vejo no hospital é que entre o 7º e 10º dia os pacientes começam a ter piora. É impressionante, isso não existia antes — conta a infectologista Sabrina Sabino.

    Amaury Mielle tem uma percepção semelhante à da colega de profissão. Ele explica que ainda não há estudos que evidenciem que a cepa cause mais óbitos, mas tudo indica que sim. Na rotina nas unidades de saúde, os médicos e equipes se surpreendem também com o fato de pessoas mais novas não estarem resistindo ao vírus como antes.

    Descontrole total

    — Pode estar acontecendo de estarmos lidando com uma variante de maior mortalidade [como é o caso da britânica]. A gente também não consegue explicar o número maior de pessoas bem mais jovens, fora do grupo de risco, em leitos de UTI. A pergunta é: a nova variante atinge pessoas mais jovens ou essas pessoas estão se expondo demais? — questiona o infectologista.

    A livre circulação das novas mutações, a falta de medidas eficazes de combate ao vírus, o desrespeito às regras básicas e a lenta vacinação completam a receita do cenário trágico. Os poucos pontos positivos, como as quedas consecutivas de casos ativos durante quase duas semanas — conforme o boletim mais recente são 772 pessoas em tratamento — tornam-se insignificantes perto da realidade ainda vivida em hospitais da cidade. De acordo com dados estaduais deste domingo, todas as unidades apresentam lotação em leitos SUS.

    — Temos um descontrole total do vírus, as medidas não são eficazes — resume Sabrina.

    Coronavírus em Blumenau

    Desde a chegada da pandemia são 48.526 contaminados na cidade e 419 mortos, conforme dados da prefeitura deste domingo. Dos 81 internados em UTIs, 69 são da cidade e 12 da região. Os leitos de enfermaria estão com praticamente 56% de ocupação. São 772 casos ativos e 47.335 recuperados. Até o momento quase 32 mil pessoas foram vacinadas, mas apenas 11.832 tomaram as duas doses. 

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas