nsc
dc

Florianópolis

MPF investiga conduta de hospital que negou aborto a menina de 11 anos em SC

Unidade de saúde alegou que só faz o procedimento quando a gestação está em até 20 semanas. A menina chegou na casa de saúde com 22 semanas

22/06/2022 - 06h00 - Atualizada em: 22/06/2022 - 08h26

Compartilhe

Sofia
Por Sofia Mayer
Segundo o MPF, o inquérito civil, instaurado na segunda-feira (20), prioriza a apuração dos "fluxos e trâmites do HU" em relação ao caso
Segundo o MPF, o inquérito civil, instaurado na segunda-feira (20), prioriza a apuração dos "fluxos e trâmites do HU" em relação ao caso
(Foto: )

A instituição de saúde de Florianópolis que negou realizar aborto em menina de 11 anos grávida após estupro será investigada pelo Ministério Público Federal (MPF). O Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago informou que só realizaria o aborto com autorização judicial.

Receba notícias do DC via Telegram

A unidade de saúde alegou que só faz o procedimento quando a gestação está em até 20 semanas. A menina chegou na casa de saúde com 22 semanas - ela foi encaminhada ao hospital pela mãe dois dias após descobrir a gravidez. 

Entrevista exclusiva: "Não sou contra aborto", diz juíza de SC que impediu procedimento à criança estuprada

Segundo o MPF, o inquérito civil, instaurado na segunda-feira (20), prioriza a apuração dos "fluxos e trâmites do HU" em relação ao caso. Detalhes do procedimento não foram divulgados.

Entenda em quais casos a lei permite aborto no Brasil

Após ter o procedimento negado, a criança foi mantida em um abrigo de Santa Catarina para evitar que fizesse um aborto autorizado, após decisão da juíza Joana Ribeiro . Só nesta terça (21), a menina foi liberada pela Justiça para voltar à casa da mãe.

A advogada que representa a vítima, Daniela Felix, entrou nesta terça-feira com habeas corpus na Justiça para que a criança realize o aborto.

Colunistas