nsc
nsc

À mesa

Mudanças causadas pela pandemia apontam novos padrões de consumo em supermercados

Do tempo de permanência nas lojas ao aumento das vendas de produtos básicos, como farinha de trigo, varejo precisou se adequar rapidamente às mudanças de hábitos do consumidor

26/02/2021 - 17h12 - Atualizada em: 01/03/2021 - 10h00

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Mudança de hábito de consumo em mercados
Entre os reflexos causados pela pandemia, supermercados notaram maior busca por produtos básicos para preparo em casa.
(Foto: )

Isolamento e distanciamento social, restrição de deslocamento, uso de máscaras de proteção. Todas as medidas sanitárias para minimizar o contágio e os efeitos da Covid-19 provocaram rápidas mudanças sociais, que impactaram, logo nos primeiros meses de pandemia, a vida de bilhões de pessoas ao redor do mundo.

Rapidamente, a indústria, o comércio e a prestação de serviços precisaram se reestruturar para se adequar aos novos padrões de comportamento. Muitas dessas transformações já vinham sendo notadas como tendência, e tiveram uma aceleração significativa em alguns meses, o “boom” do e-commerce é um exemplo disso.

Na Grande Florianópolis, uma tendência observada no último ano foi a preferência das pessoas por permanecerem em suas casas de praia. Com a adoção do home office, muita gente pôde ficar longe dos bairros centrais (que concentram a maior parte dos escritórios e empresas) e preferiu ficar nos bairros praieiros, onde – fora da temporada de verão – se têm ruas mais vazias e espaços abertos, que permitem atividades ao ar livre com segurança.  

Essa opção foi notada pelo Imperatriz e também pelo Imperatriz Gourmet, marcas que perceberam um aumento das vendas e do fluxo de clientes nas lojas de praia nos meses de baixa temporada de 2020.

A pandemia trouxe dúvidas e receios que vão além do medo da doença, o vírus fez com que surgisse um cenário de indefinições sociais, políticas e econômicas, que, por sua vez, fez com que os consumidores passassem a ter prioridades diferentes das demonstradas até então. E o varejo – como outros setores da economia – precisou se adequar às novas expectativas e necessidades dos consumidores.

Redescobrindo o prazer de cozinhar

O primeiro momento da pandemia no Brasil seguiu o padrão mundial: a incerteza sobre como seriam as semanas seguintes provocou uma corrida aos supermercados em busca de itens essenciais, como o papel higiênico, que chegou a ser notícia durante os primeiros dias, além de água e alimentos não perecíveis.

>> Verão combina com ceviche: saiba como preparar a receita típica do Peru

Com o tempo, as pessoas passaram a entender melhor o comportamento do vírus e as dinâmicas sociais ganharam novos contornos. Superou-se o medo do desabastecimento e houve o entendimento de que não é preciso estocar alimentos nem produtos de higiene, porém, a redução das idas aos supermercados reduziu consideravelmente. Hoje, busca-se ir às compras quando é realmente necessário, e os clientes permanecem menos tempo nas lojas.

Outra mudança de consumo percebida nas unidades dos supermercados Imperatriz e Imperatriz Gourmet foi o aumento da venda de produtos básicos para preparo de alimentos. Isto é, a dupla brasileiríssima, arroz e feijão, além de farinhas para o preparo de massas e pães e outros insumos utilizados na preparação de pratos caseiros voltaram a ser preferência nacional, em detrimento das refeições prontas.

Esse aumento pode ser explicado pela pesquisa nacional, realizada com 1003 pessoas entre 18 e 65 anos, pela EY Parthenon – uma das maiores organizações globais de consultoria em estratégia – em julho de 2020. Segundo dados da consultoria, momento de crise fez com que 69% dos brasileiros passassem a cozinhar em casa, mudando hábitos alimentares e de consumo. Obviamente, muitos brasileiros voltaram a preparar o próprio alimento por necessidade, por passarem mais tempo em casa, mas muitos outros redescobriram o prazer de cozinhar para a família ou para si mesmo.

Os números são importantes principalmente porque reforçam uma tendência que já vinha sido percebida por todos que frequentam as redes sociais: basta uma visita aos “stories” para ver quantos amigos ou conhecidos passaram a se aventurar, durante a pandemia, na produção de pães, bolos, massas, molhos e outros pratos de dar água na boca.

Cuidados com a saúde e compromisso social

A pandemia ensinou que somente com a união entre poder público e sociedade é possível reduzir a transmissão do vírus, e que devemos cuidar de nós para cuidar dos outros, e uma das maneiras mais efetivas de se combater o coronavírus é lavar bem as mãos com água e sabão ou utilizar álcool (líquido ou em gel) 70%.

Nesse sentido, o aumento de vendas de produtos de higiene pessoal e limpeza doméstica também reflete novos hábitos dos consumidores. Entre os entrevistados pela EY Parthenon, 71% afirmaram que passaram a ter mais consciência a respeito da importância de manter ou redobrar os cuidados com a própria higiene para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. 59% dos brasileiros garantem que passaram a limpar ainda mais suas casas, tanto porque estão passando mais tempo dentro delas quanto para reduzir os riscos de contágio.

Tempo no mercado diminuiu
Com a pandemia, o tempo de permanência nos supermercados reduziu, assim como a frequência.
(Foto: )

As empresas também vêm fazendo a sua parte. Os supermercados Imperatriz e Imperatriz Gourmet, por exemplo, foram pioneiros em Santa Catarina na instalação de telas de proteção acrílicas em seus caixas (checkouts). A ação preventiva teve início em março de 2020, logo após a confirmação dos primeiros casos da doença no Brasil, e tem o objetivo de oferecer ainda mais segurança aos clientes e colaboradores.

– O cuidado com as pessoas, que sempre foi um valor de nossa empresa familiar, foi o foco desde o início da pandemia. Criamos um grupo para gestão de todas as iniciativas possíveis para contribuirmos com a prevenção à doença e com a saúde de todos – explicou Vidal Lohn Filho, diretor de Marketing e Expansão das redes Imperatriz e Imperatriz Gourmet.

Além da colocação do acrílico nos caixas, todas as unidades do Imperatriz e do Imperatriz Gourmet vêm operando de acordo com os decretos municipais de segurança sanitária, como limitação de entrada de clientes, aferição de temperatura, higienização correta de carrinhos e cestinhas, disponibilização de álcool em gel em pontos estratégicos e marcações para delimitar área segura de distanciamento.

Os supermercados Imperatriz e Imperatriz Gourmet foram importantes postos de arrecadação de alimentos e produtos de higiene doados a famílias em situação de vulnerabilidade, em campanha realizada em parceria com a Rede Somar Floripa. Com isso, reforçam seu compromisso social e demonstram que estão atentos e prontos para atender aos novos anseios dos consumidores e às necessidades de toda a comunidade.

Acesse o site do Imperatriz e fique por dentro das novidades.

Confira o especial À Mesa

Colunistas