nsc

Trânsito

Muita gente não vai entender suspensão da CNH, diz especialista sobre novas regras no trânsito

No Notícia na Manhã, Márcia Pontes falou sobre questões como mudanças nas regras para transporte de crianças e exame toxicológico

14/04/2021 - 12h21

Compartilhe

Juliana
Por Juliana Gomes
Trânsito em Florianópolis
Trânsito em Florianópolis
(Foto: )

Desde a última segunda-feira (12), estão em vigor algumas alterações no Código de Trânsito Brasileiro. Há mudanças na quantidade de pontos para a suspensão de Carteira Nacional de Habilitação, aumento da validade da CNH, além de alteração na regra para transporte de criança. 

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

Em entrevista ao Notícia na Manhã, a especialista em planejamento e gestão de trânsito Márcia Pontes tirou dúvidas sobre as principais mudanças.

- Tivemos 57 mudanças no Código Brasileiro de Trânsito e muita gente não vai entender quando tiver a suspensão do direito de dirigir, é em função de infração gravíssima. Se você não cometeu nenhuma infração gravíssima ao longo de 12 meses, mas teve 40 pontos (na carteira), o Detran abre o processo para suspensão do direito de dirigir. Se teve duas gravíssimas, já suspende com 30 pontos. Suspende com 20 pontos para quem cometeu mais infrações - explicou Márcia.

Ouça a entrevista

> O que muda no Código de Trânsito Brasileiro a partir de abril de 2021

Márcia Pontes também comentou sobre as mudanças nas regras para o transporte de crianças.

- O taxista não era obrigado a levar criança no bebê conforto, na cadeirinha nem no assento de elevação. O transporte escolar também não. Isso era cobrado do motorista de aplicativo. O que houve aí foi uma equiparação. Facilitou a vida delee, que vai poder fazer corridas que antes não fazia, mas não ficou mais grave porque motorista de transporte escolar e transporte em ônibus já era assim, só equiparou - comentou.

A obrigatoriedade do exame toxicológico foi outro aspecto abordado pela especialista.

- Todo mundo que tem carteira C, D e E, mesmo aquele motorista profissional que não exerce mais a profissão tem que fazer o exame toxicológico. Por exemplo, o motorista de caminhão aposentado que passa a usar apenas o carro de passeio, continua com a carteira, C, D e E. Se não fizer o exame toxicológico a cada dois anos e meio, vc cair na fiscalização, que vai suspender por três meses o direito de dirigir. Criou-se uma multa vezes cinco que dá quase R$1,8 mil. Rebaixar a carteira é uma opção para quem já é aposentado.

Leia mais:

> Mudanças no Código de Trânsito: especialistas avaliam propostas sobre cadeirinha, farol e limite de pontos

> Mudanças na lei de trânsito entram em vigor nesta segunda-feira

> Fios de semáforo do Centro de Florianópolis são furtados duas vezes em menos de 24 horas

> Greve dos professores em Florianópolis é legal, decide Justiça

> Mapa Covid de SC hoje: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

> Calendário da vacina: veja dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

Colunistas