nsc
dc

Manifestação

Mulheres indígenas de SC puxam protesto na BR-101 contra projeto de lei que avança em Brasília

Movimento na rodovia federal é contrário à proposta que permite garimpo em terras demarcadas; entenda os porquês da manifestação no Estado

23/06/2021 - 13h58 - Atualizada em: 23/06/2021 - 14h04

Compartilhe

Por Ângela Bastos
Nesta quarta-feira (23) índios de aldeias catarinenses ocuparam parte da pista da BR-101, na aldeia Morro dos Cavalos, em Palhoça.
Nesta quarta-feira (23), índios de aldeias catarinenses ocuparam parte da pista da BR-101, na aldeia Morro dos Cavalos, em Palhoça.
(Foto: )

Há duas semanas indígenas de diferentes etnias do Brasil protestam em frente à Câmara dos Deputados, em Brasília, contra a aprovação do Projeto de Lei 490, de 2007. Nesta manhã, índios de aldeias catarinenses ocuparam parte da pista da BR-101, na aldeia Morro dos Cavalos, em Palhoça. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O movimento foi organizado por mulheres Guarani, mas contou a participação dos homens e das crianças. As terras indígenas em Santa Catarina não têm pedras preciosas para o garimpo, como autoriza o PL que hoje pode avançar na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). 

Mas qual o motivo dos índios que vivem no Estado terem protestado?

> Índios sofrem com dificuldades em abrigos de Florianópolis e Balneário Camboriú

> Língua indígena falada em SC, Kaingang vira opção de idioma em celulares brasileiros

— Estamos nos manifestando para garantir que a demarcação de terras indígenas, direito previsto na Constituição Federal, continue a ocorrer. Este projeto permite que o governo tire da posse dos povos indígenas áreas oficializadas há décadas e inviabilize as demarcações, já paralisadas pelo governo Bolsonaro, abrindo para diferentes empreendimentos, como garimpos em algumas regiões do país — explica a cacique Eliara, liderança no Morro dos Cavalos. 

Ester Antunes, da Aldeia Massiambu, também esteve presente: 

— Estamos aqui com nossos filhos no colo para dizer não ao PL, e mostrar que somos guerreiros em luta — declarou.

Marco temporal desconsidera memória

O PL 490/2007 determina que são terras indígenas aquelas que estavam ocupadas pelos povos tradicionais em 5 de outubro de 1988. Ou seja: é necessária a comprovação da posse da terra no dia da promulgação da Constituição Federal. 

> Indígena relata dificuldade para registrar nome da filha em Blumenau; caso vai parar no MPF

Caso não estivessem na terra, os índios precisariam estar em disputa judicial ou em conflito material comprovado pela área na mesma data. Já pela legislação atual, a demarcação exige a abertura de um processo administrativo dentro da Fundação Nacional do Índio (Funai), com criação de um relatório de identificação e delimitação feito por uma equipe multidisciplinar, que inclui um antropólogo. Muitas vezes, ainda que não apresentem provas (fotografias ou documentos), as memórias dos moradores são usadas para a demarcação.

Para STF, caso Xokleng vira jurisprudência

Há, ainda, outro motivo para os protestos que se repetem no país. O Supremo Tribunal Federal está para analisar o Recurso Extraordinário com repercussão geral (RE-RG) 1.017.365, que é um pedido de reintegração de posse movido pelo Instituto do Meio a Ambiente de Santa Catarina (IMA) contra a Fundação Nacional do Índio (Funai) e indígenas do povo Xokleng, envolvendo uma área reivindicada – e já identificada – como parte de seu território tradicional. 

> Ação de despejo de indígenas causa tumulto em Joinville; veja vídeo

Em 2019, o STF deu status de “repercussão geral” ao processo, o que significa que a decisão sobre ele servirá de diretriz para a gestão federal e todas as instâncias da Justiça no que diz respeito aos procedimentos demarcatórios. Ou seja, a decisão abre jurisprudência para todo o território nacional e de acordo com as lideranças poderá implicar com a perda de áreas significativas.

Trânsito interrompido

A manifestação durou cerca de uma hora e o trânsito esteve interrompido no sentido norte, e depois sul. A Polícia Rodoviária Federal conversou com as lideranças e o tráfego será liberado nos dois sentidos. 

> Água da Lagoa da Conceição tem alto índice de vírus que causa infecções, aponta laudo da UFSC

Os índios estenderam faixas na passarela que passa pela aldeia. Também ouve queima de pneus, o que gerou fumaça. Ainda em chamas o material foi retirado pelos policiais.

Colunistas