nsc
santa

Obras estão no começo

Nova ponte na BR-470 em Pouso Redondo custará R$ 16 milhões

DNIT também demolirá ponte antiga e recuperará ruas municipais usadas atualmente para desviar trânsito da rodovia

22/06/2022 - 05h33 - Atualizada em: 22/06/2022 - 07h12

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Obras na BR-470, em Pouso Redondo
Obras na BR-470, em Pouso Redondo
(Foto: )

Está estimada em R$ 16 milhões a obra da nova ponte da BR-470, em Pouso Redondo, em substituição à já existente, que está interditada. Os serviços para a construção da nova estrutura no Alto Vale começaram nesta semana. As equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) atuam, neste momento, na desmontagem das passarelas metálicas. 

> Clique aqui e receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

A ponte sobre o Rio das Pombas, no Centro de Pouso Redondo, está interditada desde o dia 25 de abril. Imagens mostram rachaduras em um dos pilares de concreto e as ferragens expostas. A estrutura chegou a ficar fora de nível. Uma vistoria técnica mostrou a necessidade urgente de parar o fluxo de veículos na região.

Nesta semana, os serviços emergenciais começaram com a desmontagem das atuais passarelas metálicas, que serão reaproveitadas em outros projetos. Uma passarela provisória será instalada para os pedestres enquanto as obras estiverem em andamento. 

Depois, haverá demolição da ponte antiga e construção da nova estrutura. Todo esse serviço - desde a demolição, a reparação das ruas que estão sendo usadas como alternativa até a construção em si - custará aos cofres públicos cerca de R$ 16 milhões. 

A nova ponte terá 35 metros de comprimento e 16 metros largura, sendo maior que a antiga. Haverá faixas nos dois sentidos, acostamento, e passagem para pedestres e ciclistas. O DNIT promete recuperar sete ruas municipais de Pouso Redondo que hoje servem como desvio de trânsito da BR-470.

Leia também

Cardápio da Oktoberfest Blumenau 2022 terá rollmops e outras novidades; confira

Prédio com mais de 100 apartamentos será construído ao lado de colégio de Blumenau

Empresa de SP desiste de tentar comprar a Teka, de Blumenau

Colunistas