A NSC estreia nesta quinta-feira (2) o projeto Antonietas, que visa ampliar voz, espaço e visibilidade a mulheres catarinenses que são destaque em suas áreas de atuação. O projeto inspirado em Antonieta de Barros terá conteúdos em todas as mídias, com múltiplos formatos. Mulher, jornalista, negra, professora e uma das primeiras mulheres a serem eleitas no Brasil, Antonieta teve, entre seus ideais, a emancipação feminina, firmada em 1979.  

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

O projeto surge com um holofote perene e apolítico inclinado para exemplos, histórias reais, iniciativas, discussões comportamentais que valorizam a mulher e a colocam no lugar onde sempre deveria ter estado: o de paridade.  

Os conteúdos poderão ser acompanhados em todos os veículos da NSC a partir do NSC Notícias desta quinta-feira. Na NSC TV, Antonietas terá reportagens e entrevistas sempre com o selo que identifica o projeto. No NSC Total, além dos conteúdos especiais, terá destaque o podcast quinzenal Antonietas, apresentado pelas jornalistas Eveline Pôncio e Clarissa Batistella.

No primeiro episódio, participam Talita Ramos, consultora de diversidade em empresas e Sonia Hess, fundadora da Dudalina e do movimento Mulheres do Brasil. Sonia Hess também está na edição especial do impresso que conta ainda com uma reportagem especial que expõe a busca por igualdade de mais mulheres em cargos de liderança no mercado de trabalho.  

Continua depois da publicidade

Na CBN, entrevistas vão dar voz a mulheres que são destaque entre as lideranças femininas. E reportagens vão mostrar as iniciativas que enfatizam o talento e o protagonismo das catarinenses.   

Os números dão a base científica para o movimento. Dados do Fórum Mundial Econômico de 2021 mostraram que o Brasil ocupa o 93º lugar em igualdade de gênero entre 156 nações. Uma perda de 26 posições em relação ao ano de 2006. Já o pacto global do Movimento Elas Lideram 2023, realizado com a ONU Mulheres, foca na aceleração da igualdade, tendo como ambição ter 1,5 mil empresas comprometidas com a paridade na alta liderança até 2030.  

— O projeto Antonietas tem o objetivo de mostrar a força da mulher catarinense em diversas áreas. E ele já nasceu dentro da NSC com o espírito que quer ressaltar: com inclusão, diversidade, união, talento, sororidade e o compromisso de abrir espaço para tantas mulheres incríveis que estão ao nosso redor —explica a gerente-geral de telejornalismo NSC TV, Daniella Peretti, representando todas as mulheres da NSC que são mantenedoras da iniciativa.

Evento de lançamento

O evento de lançamento acontece na sede da NSC TV em Florianópolis e conta com a presença de diversas lideranças femininas do Estado, entre elas, a vice-governadora Marilisa Boehm (PL). Para ela, a iniciativa é importante para que as mulheres se enxerguem e se inspirem.

Continua depois da publicidade

— Muitas mulheres vão se inspirar para ter força, coragem e determinação para ser quem elas quiserem ser. Tenho certeza que elas vão se ver neste projeto. A força da mulher catarinense está na vontade de vencer — destacou a vice-governadora.

A partir deste lançamento, semanalmente, serão veiculados conteúdos que valorizam a força da mulher catarinense e, sobretudo, contam suas histórias inspiradoras e desafios enfrentados no decorrer do caminho. 

Além da vice-governadora, também esteve presente a professora Sônia Carvalho, da Associação de Mulheres Negras Antonieta de Barros, de Florianópolis. A educadora destaca a felicidade pelo nome escolhido ao projeto, já que Antonieta representa a luta feminina, antirracista e representa todas, principalmente as mulheres negras.

— É um projeto muito interessante porque ele vai ouvir as mulheres. Nós sempre tivemos vozes, mas as nossas vozes não são ouvidas, são silenciadas. Então é muito importante a gente ter esse projeto que a nossa voz vai estar ali presente — disse.

Continua depois da publicidade

Claudia Prudêncio, presidente da OAB de Santa Catarina, também marcou presença e disse que ainda tem um trabalho forte de futuro a ser realizado para as próximas gerações.

— É para que estas que hoje são pioneiras, que têm oportunidades, que estão se dedicando e se doando façam com que não só as mulheres, mas os homens também entendam que nós somos diferentes e que a nossa diferença, muitas vezes, se soma e melhora esse mundo em que nós vivemos e estamos sobrevivendo, e um mundo já com gestão de mulheres em comando — resumiu Cláudia.

Zena Becker, secretária municipal de Turismo, Cultura e Esporte, disse que sempre defendeu que a mulher precisa estar onde quiser, seja na política, em casa ou na iniciativa privada. E, para ela, o projeto Antonietas incentiva a abertura desses espaços.

— É necessário eventos ou programas como esse para que a gente também se desperte, se motive a cada vez mais ocupar nossos espaços. Mas eu gosto sempre de registrar e dizer o seguinte: nós gostamos de estar ao lado dos homens — pontuou.

Continua depois da publicidade

Já a delegada Patrícia Zimmermann, coordenadora das delegacias de proteção à mulher de SC, disse que, quando a mulher passa a ser notada e ouvida, as necessidades dela passam a ser prioridade.

— Por muito tempo a mulher foi silenciada e, sendo silenciada, passa a ser vítima de certas situações, não só violência. Então está na hora da gente prestar atenção, são muitas necessidades: a necessidade ao respeito, a necessidade ao trabalho digno, a necessidade ao espaço que seja só dela. Quando você presta atenção nas necessidades da mulher faz toda diferença.

Veja fotos do evento

Edição impressa

As edições impressas do Diário Catarinense, A Notícia e Santa também abordarão o projeto Antonietas. As capas deste fim de semana retratam a história de Noemi, que é líder artística fundadora do curso de Artes da Universidade Regional de Blumenau — um dos primeiros do Estado — e diretora de música do Teatro Carlos Gomes. Ela é uma das referências culturais de Santa Catarina aos 85 anos.

Continua depois da publicidade

— A capa da edição impressa, espelhada entre Antonieta de Barros e Noemi Kellermann, uma mulher com tanta importância cultural e artística em Santa Catarina, representa justamente essas várias “Antonietas” que existem no Estado. E é isso que o projeto quer: mostrar as histórias daquelas que graças ao pioneirismo de Antonieta constroem entidades e negócios consolidando a liderança feminina — destaca Augusto Ittner, coordenador das edições impressas da NSC.

Ciliane Pereira, designer do Diário Catarinense e responsável pela criação da capa, ainda destaca que as mulheres representadas estão unidas pelo símbolo da igualdade, elemento que permeia e é o ponto de partida de toda a identidade visual.

— A capa especial de estreia do projeto Antonietas vem para reforçar a força das mulheres, representadas pelas imagens de Antonieta de Barros e Noemi Kellermann olhando para o centro da página, valorizando o conteúdo e nosso manifesto de marca — explica.

Capa da edição impressa deste fim de semana espelha Antonieta de Barros e Noemi Kellermann (Imagem: Ciliane Pereira)

Leia também

Mulheres têm salários 19% menores do que homens no Brasil, aponta relatório

Continua depois da publicidade

SC está entre os 10 estados com menor proporção de mulheres na população; veja números

Destaques do NSC Total