publicidade

Economia
Navegue por

Daniel Leipnitz

O outro lado do Vale do Silício: o que Santa Catarina não quer ser 

Ao mesmo tempo que o Vale do Silício, nos EUA, é uma das regiões mais ricas do mundo, desigualdade e demais questões socioeconômicas preocupam o grande polo tecnológico

12/06/2019 - 06h20 - Atualizada em: 12/06/2019 - 10h52

Compartilhe

Por Tech SC
Vale do Silício, Califórnia. Vista Geral com Baia de São Francisco ao fundo
Vale do Silício, Califórnia. Vista Geral com Baia de São Francisco ao fundo
(Foto: )
Daniel
(Foto: )

Santa Catarina é considerada hoje como o Vale do Silício latino-americano. Com mais de 5% de sua economia vinda do setor de tecnologia, e respondendo por mais de R$ 15 bilhões anuais de faturamento, o Estado concentra a maior densidade de startups do Brasil. Levando em conta todos esses pontos, é notável a semelhança, dadas as devidas proporções, com o maior polo tecnológico do mundo, berço de gigantes da tecnologia como Google, Facebook e Apple, o Vale do Silício, na Califórnia.

E toda essa semelhança nos orgulha muito, considerando que estamos conseguindo desenvolver em nosso Estado um ambiente propício para o surgimento e manutenção de empresas de tecnologia, com soluções relevantes para a sociedade e que geram riqueza para Santa Catarina. No entanto, o estudo Índice do Vale do Silício 2019, produzido pelo Instituto do Vale do Silício, traz alguns dados alarmantes, que mostram por que precisamos nos preocupar com o desenvolvimento de Santa Catarina como um todo para não nos assemelharmos ao outro lado do Vale do Silício.

Leia também: empresas de tecnologia e startups de SC têm mais de 700 vagas abertas

Segundo o levantamento, são elencados três principais problemas socioeconômicos gerados pela altíssima concentração de renda na região: o crescimento da desigualdade, o alto custo de vida, e a gentrificação, ou seja, o êxodo de moradores de renda mais baixa e a entrada de estrangeiros com maior poder aquisitivo.

O estudo identificou que, entre julho de 2015 e julho de 2018, o Vale do Silício recebeu 61 mil novos moradores, ao passo que perdeu mais de 64 mil residentes, que migraram para outras regiões da Califórnia e dos Estados Unidos.

A diferença de salários começou a aumentar, e o Vale do Silício passou a concentrar grande quantidade de multimilionários, influenciando a vida de profissionais comuns, que têm dificuldade para pagar por aluguéis, produtos e serviços básicos, como educação, saúde e transporte. A média anual de pagamentos no Vale do Silício chegou a US$ 140 mil em 2018 (mais do dobro da média nacional americana), porém a renda é muito concentrada. Chega-se ao cúmulo de pessoas alugando camas em vans, dormindo nos próprios carros, ou mesmo viajando mais de três horas por dia para ir ao trabalho no Vale, por não conseguirem morar próximo ao local, em função do alto custo.

Não apenas pessoas de baixa renda estão migrando para outras regiões em função do alto custo de vida e padrão salarial que existe hoje no Vale, mas até mesmo médicos e advogados — profissões consideradas de média remuneração na região —, algumas empresas de tecnologia também não estão conseguindo manter suas operações por lá.

Chega-se ao cúmulo de pessoas alugando camas em vans, dormindo nos próprios carros, ou mesmo viajando mais de três horas por dia para ir ao trabalho no Vale.

O paralelo que queremos denotar aqui é que a Acate trabalha de maneira firme para desenvolver Santa Catarina como um todo, e não apenas as empresas de tecnologia, das quais representamos os interesses. Uma de nossas ações neste sentido que vale destacar é o conjunto de iniciativas voltadas à interiorização do setor de tecnologia, por meio das quais buscamos promover o desenvolvimento dos polos regionais, com o objetivo de evitar a concentração das empresas apenas nas regiões litorâneas e, assim, favorecer o desenvolvimento do Estado como um todo. Além disso, apoiamos e promovemos iniciativas como o Floripa Conecta, que tem como objetivo promover diversos vetores econômicos da cidade, além da tecnologia, como música, arte, cultura, turismo, design, marketing, audiovisual, gastronomia e esportes.

Tech SC: fique por dentro do universo da tecnologia em Santa Catarina

Se estes setores, além de educação, saúde, transporte, comércio e a qualificação do nosso mercado não se desenvolverem no mesmo ritmo, ou além das empresas de tecnologia, nosso polo estará em grande risco. Queremos Santa Catarina forte em todos os aspectos, para que possa comportar e acompanhar o crescimento do setor de tecnologia de forma saudável, e se desenvolver da maneira mais igualitária possível, garantindo condições adequadas de vida aos que aqui vivem e trabalham.

*Por Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate)

Acesse também:

O que uma boa rede de contatos pode fazer por você?

Santa Catarina é o sexto Estado mais inovador do país

Startup de Floripa recebe investimento de R$ 40 mil para solução ambiental

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação