No período de transição entre as estações do ano é comum o aparecimento das chamadas “doenças sazonais”. As variações de temperatura, umidade e outros fatores podem também impactar pessoas que sofrem de condições crônicas, como asma, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) e fibrose cística. Nesses casos, os pacientes podem ter impactos significativos na qualidade de vida e saúde respiratória.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Entre as doenças sazonais mais comuns estão as infecções respiratórias, como gripes e resfriados (mais frequentes na transição para as estações mais frias) e as alergias respiratórias, que costumam aparecer especialmente na primavera. Essas mudanças nas condições climáticas podem desencadear ou piorar sintomas respiratórios, como tosse, falta de ar e alergias, além de aumentar a produção de muco, causar chiado no peito, fadiga, pulsação rápida e cianose, uma coloração azulada nos lábios, unhas e pele devido à falta de oxigênio.

Para manter a qualidade de vida mesmo nessa época, o médico pneumologista do Hospital Santa Catarina, Eduardo Menezes Lopes, destaca que pacientes que possuem condições respiratórias crônicas devem adotar algumas medidas preventivas simples:

— Evitar ambientes com poluentes atmosféricos, manter-se bem hidratados, praticar uma boa higiene das vias respiratórias, evitando o contato com pessoas doentes, e seguir à risca o plano de tratamento prescrito pelo médico. Além disso, é fundamental que esses pacientes estejam em dia com suas vacinas, especialmente contra a gripe e contra a COVID-19.

Continua depois da publicidade

Cuidados adicionais

Quando os sintomas das doenças sazonais são persistentes, é importante ligar um sinal de alerta e buscar cuidados médicos adicionais. Lopes aponta alguns sintomas que devem ser observados:

  • Dificuldade respiratória persistente (em repouso ou ao realizar atividades simples, por exemplo);
  • Aumento da tosse;
  • Produção de escarro com mudança de cor;
  • Febre persistente;
  • Fadiga excessiva; e
  • Alterações no padrão do sono e agravamento progressivo dos sintomas respiratórios crônicos.
  • Nestes casos, é importante procurar imediatamente orientação médica para avaliação e ajuste do tratamento.

DPOC em crianças e idosos

Apesar de ser mais comum entre pacientes adultos, crianças podem desenvolver sintomas semelhantes aos da DPOC, conhecidos como “asma persistente”. Por meio de um diagnóstico precoce, tratamento e medidas preventivas, é possível manter a qualidade de vida das crianças que apresentam sinais de doenças respiratórias.

Mas, enquanto crianças são mais suscetíveis a infecções respiratórias virais devido ao sistema imunológico em desenvolvimento, Lopes diz que os idosos também requerem atenção especial na transição entre as estações, tanto por causa do envelhecimento natural do sistema imunológico quanto pela presença de possíveis condições médicas concomitantes, que geram um risco maior de complicações.

Continua depois da publicidade

Segundo ele, é importante que esses grupos etários recebam vacinação adequada e sigam rigorosamente as orientações médicas para prevenir exacerbações das doenças respiratórias.

Vacinação

Doenças sazonais como gripe (Influenza) e Covid-19 podem ser prevenidas por meio da vacinação. As vacinas não apenas reduzem o risco de contrair a infecção, mas também contribuem para diminuir a gravidade dos sintomas e evitar que se desenvolvam complicações graves, como pneumonia e a necessidade de hospitalização.

— Incentivar a vacinação em todos os grupos elegíveis, incluindo crianças, idosos e pessoas com condições respiratórias crônicas, é uma medida crucial para proteger a saúde e reduzir o impacto dessas doenças sazonais na comunidade —, diz o médico.

Sobre o Hospital Santa Catarina de Blumenau

Referência no Estado, o Hospital Santa Catarina de Blumenau possui uma equipe de especialistas em diversas áreas da medicina. Fundado em 1920 pela Comunidade Luterana do município, tem mais de 150 leitos de internação em uma área de mais de 22 mil metros quadrados. Com uma equipe de mais de mil colaboradores, o HSC Blumenau possui infraestrutura de CTI Adulto, UTI Neonatal e Pediátrica, clínica de saúde mental e salas cirúrgicas.

Continua depois da publicidade

Leia também

7 coisas que você provavelmente não sabe (mas deveria saber) sobre a dengue

Doença de Parkinson: o que é, quais os sintomas e como funciona a cirurgia DBS

Destaques do NSC Total